União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

25 mai Judicialização excessiva prejudica todo o mercado
25 mai Nova diretoria da Susep vai fiscalizar corretores e autorreguladora
18 mai Projeto de lei para alterar a relação entre clientes, seguradoras e corretores
18 mai Previdência complementar requer atenção aos tributos
28 abr Confiança do setor de seguros sobe 12,8% em abril com cenário político
13 abr Susep muda norma para transferência de carteiras
7 abr Aportes à previdência aberta sobem 24,3% em janeiro, diz FenaPrevi
7 abr Investidores aplicam mais em previdência privada aberta
7 abr Índice de Confiança do Setor de Seguros cresce 10,2% em março
29 mar Cerimônia de outorga da Medalha Cidade de Porto Alegre
28 mar Milton Machado recebe medalha Cidade de Porto Alegre
28 mar Segurada da União recebe prêmio de capitalização
2 mar Setor de seguros reduz faturamento, mas deve crescer 9% Em 2016
2 mar Lideranças do mercado de seguros debatem, em evento na Bahia, futuro do setor à luz dos cenários econômico e político do país
29 fev Susep edita normas para seguradoras, resseguradoras e previdência complementar
11 fev Segurada da União recebe prêmio de capitalização
10 fev Na crise, cresce o desafio de planejar a aposentadoria
8 jan Grupo Aspecir participa de homenagem ao Batalhão de Suez
6 jan Seis fatores para o sucesso da precificação de seguros
6 jan Principais súmulas e decisões de 2015 estão em relatório do Sacha Calmon
6 jan Juros do cartão de crédito chegam a 415,3%
30 dez Confiança do setor de seguros cai 20% em 2015
30 dez Susep aprova acordo entre AXA e SulAmérica no segmento de grandes riscos
30 dez Equilíbrio para grandes desafios
30 dez Expectativa é de mudança de rumos em 2016, diz vice-presidente da Anbima
18 dez Setor de seguros deve desacelerar no Brasil em 2016, prevê CNseg
16 dez Seguro DPVAT está entre principais fontes de custeio do SUS
16 dez CNSP Aprova Seis Resoluções Propostas Pela Susep
16 dez Mercado Segurador devolve para a sociedade R$ 300 milhões por dia
24 nov 56ª Edição do Festival Hípico Noturno
24 nov Mercado de seguro brasileiro vai resistir à recessão, diz Axa
24 nov VGBL sustenta o faturamento do setor de seguros
19 nov A Voz daTradição 083 - União Seguradora
12 nov JULIO MACHADO REPRESENTANTE DO MERCADO GAÚCHO NA CHAPA ÚNICA DA FENAPREVI
28 out Seguro é a saída para fundos de pensão enfrentarem risco de longevidade
28 out Como se preparar financeiramente para grandes eventos
14 out Para onde caminha o mercado de seguros
6 out Aspecir Previdência firma convênio com a FUSEPERGS
5 out Tradição e raízes são lembradas no 13° Troféu JRS
21 set Com crise, financeiras inovam e emprestam dinheiro pela internet
15 set 9 proteções de seguros pouco óbvias que você tem de conhecer
15 set Seguros sobre riscos digitais vão triplicar a US$7,5 bi até 2020, atraindo concorrentes, diz estudo
15 set Com os juros do cartão em alta, saiba como escolher o crédito mais adequado ao seu bolso
15 set Grupo Aspecir na Semana Farroupilha
11 set Apesar da crise, vendas de seguros seguem disparando
11 set Câmara aprova aumento de impostos para seguradoras
11 set Retirada urgência de projeto que cria a Banrisul Corretora de Seguros
11 set Contratação de Seguro para Eventos pode ser obrigatória
24 ago Os próximos vinte anos
21 ago Plenário aprova prazo máximo de 30 dias para seguradoras pagarem indenização
14 ago Grupo Aspecir assina contrato com Prefeitura de Viamão
12 ago União assina contrato com o MTG
11 ago Susep aprova projeto que torna carteira do Corretor obrigatória
28 jul Avança projeto que torna obrigatória carteira do corretor
28 jul Aumento da Selic é um mal necessário, diz economista
23 jul 5 opções de empréstimo que costumam ter juros mais baixos
17 jul Aspecir Previdência comemora 78 anos
14 jul Limite de empréstimo consignado sobe de 30% para 35%
7 jul Índice de Confiança do Setor de Seguros fecha o semestre em queda
15 jun Poupar cedo garante faculdade dos filhos
9 jun UNIÃO SEGURADORA/GRUPO ASPECIR REFORÇA A ÁREA COMERCIAL
29 mai Lucro de seguradoras registra alta de 33% no primeiro trimestre de 2015
29 mai Projeto de lei nacional torna obrigatória carteira de identificação para corretor de seguros
29 mai Quer ser multado? Atualize seus dados na Susep
25 mai Ciência Atuarial tem ganhado destaque em casos de previdência complementar
20 mai Entenda a diferença entre seguro de vida individual e coletivo
14 mai Previc: normas para investimentos em infraestrutura devem sair em agosto
12 mai NOITE DE POSSE NO CLUBE DA PEDRINHA
12 mai Setor de seguros cresce 22,4% no ano
13 abr Joaquim Levy ressalta a importância do Seguro na vida das pessoas
7 abr A Susep desafia as Seguradoras com a Circular 492
2 abr 55ª edição do Festival Hípico Noturno da Brigada Militar tem apoio do Grupo Aspecir
2 abr Diretor Comercial da União fala sobre o papel do Clube da Pedrinha no mercado de seguros
05/11/2018

TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção


A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que o índice de correção monetária a ser aplicado a benefício complementar pago por entidade aberta de previdência privada deve ser estipulado pelos órgãos do Sistema Nacional de Seguros Privados.

Para o colegiado, os índices de correção devem ser adotados na seguinte ordem: ORTN, OTN, IPC, BTN, TR e índice geral de preços de ampla publicidade, conforme a época em que vigoraram os planos, inclusive com a substituição da Taxa Referencial (TR) pelo IPCA a partir de 5/9/1996.
A decisão foi tomada por unanimidade em embargos de divergência apresentados por beneficiário de plano de previdência privada. O embargante alegou divergência jurisprudencial entre decisões da Terceira e Quarta Turmas do STJ quanto à possibilidade de utilização da TR na correção de benefício de renda mensal de plano de previdência privada aberta.
O autor da ação pediu que prevalecesse a tese firmada pela Terceira Turma, de que deve ser afastada a aplicação da TR na correção monetária do benefício previdenciário complementar a partir de setembro de 1996, e adotado o INPC ou o IPCA-E, conforme normativos do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e da Superintendência de Seguros Privados (Susep).
O relator dos embargos, ministro Villas Bôas Cueva, destacou haver dois recursos especiais repetitivos pendentes de julgamento no STJ com questões similares (Tema 977). Porém, disse ele, a matéria deveria ser apreciada primeiro pela seção nos embargos de divergência, “pois é recomendável a uniformização da jurisprudência antes de ser cristalizado qualquer entendimento no feito representativo de controvérsia”.

TR

Villas Bôas Cueva explicou que a TR não é índice de correção monetária, pois, refletindo as variações do custo primário da captação dos depósitos a prazo fixo, não constitui fator que reflita a variação do poder aquisitivo da moeda.
O relator citou precedentes do Supremo Tribunal Federal (STF) indicando a impossibilidade de imposição da TR como índice de correção monetária, uma vez que a taxa não é capaz de mensurar o fenômeno inflacionário, pois sua fórmula de cálculo é desvinculada da variação de preços da economia.
O ministro mencionou também a Súmula 295 do STJ (“A Taxa Referencial é indexador válido para contratos posteriores à Lei 8.177/91, desde que pactuada”), porém, conforme observou, nos precedentes que deram origem àquele enunciado, a TR não era utilizada isoladamente, mas, sim, em conjunto com juros bancários ou remuneratórios.
Dessa forma, de acordo com Villas Bôas Cueva, “se a complementação de aposentadoria, de natureza periódica e alimentar, for corrigida unicamente pela TR, acarretará substanciais prejuízos ao assistido, que perderá gradualmente o seu poder aquisitivo com a corrosão da moeda, dando azo ao desequilíbrio contratual”.

Correção

Para o relator, os próprios órgãos reguladores do setor, atentos ao problema, reconheceram a TR como fator inadequado de correção monetária nos contratos de previdência privada aberta, editando várias orientações para a repactuação dos contratos, com o objetivo de substituí-la por um índice geral de preços de ampla publicidade.
“Com a vedação legal da utilização do salário mínimo como fator de correção monetária para os benefícios da previdência privada (Leis 6.205/75 e 6.423/77) e o advento da Lei 6.435/77 (artigo 22), devem ser aplicados os índices de atualização estipulados, ao longo dos anos, pelos órgãos do Sistema Nacional de Seguros Privados, sobretudo para os contratos de previdência privada aberta: na ordem, ORTN, OTN, IPC, BTN, TR e índice geral de preços de ampla publicidade”, explicou.

Direito adquirido

O ministro afirmou que o participante do plano tem direito adquirido ao benefício previdenciário complementar e à efetiva atualização monetária de seu valor. Porém, o direito adquirido não se estende a determinado índice de correção. Dessa forma, é possível a substituição dos índices.
“A substituição de um indexador por outro é possível desde que idôneo para medir a inflação, recompondo a obrigação contratada. Não pode incidir, dessa forma, índice aleatório, que privilegie, por um lado, a entidade de previdência privada ou, por outro, o participante”, frisou.

Custeio

Villas Bôas Cueva citou ainda diversos julgados do STJ no sentido de que a eventual ausência de fonte de custeio para suportar o pagamento das diferenças de correção monetária não tem força para afastar o direito do assistido.
Segundo os precedentes, a entidade de previdência privada tem a responsabilidade de prever a formação, a contribuição e os devidos descontos de seus beneficiários, de forma que a própria legislação estabeleceu mecanismos para que o ente previdenciário supere possíveis déficits e recomponha a reserva garantidora.
“Não prospera, portanto, a alegação da entidade aberta de previdência privada ventilada em contrarrazões no sentido de que a TR deve ser aplicada sem limite temporal para os contratos firmados em data anterior a 1º/1/1997, ao passo que somente para aqueles pactuados em data posterior é que incidiria algum dos índices gerais de preço de ampla publicidade”, afirmou.
Ao acolher os embargos, Villas Bôas Cueva destacou que deve prevalecer a tese firmada pelo acórdão paradigma proferido pela Terceira Turma, visto que a TR não pode ser utilizada como fator de correção dos benefícios da previdência privada após o reconhecimento de sua inidoneidade pelos órgãos governamentais competentes, devendo, em seu lugar, ser adotado algum índice geral de preços de ampla publicidade, que será o IPCA, a partir de 5/9/1996, na ausência de repactuação.

Leia o acórdão.
logotipo zepol