União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

25 jun Receita da capitalização cresce 8,1% em quatro meses
22 jun Motivos Para Uma Empresa Contratar Um Seguro
22 jun 90% de processos corriqueiros podem ser resolvidos por chatbot, diz pesquisa
22 jun Simplificação de documentos: confira o que estamos fazendo para facilitar seu acesso ao Seguro DPVAT
22 jun Cuidado com o bolso: sua velhice vem aí
18 jun Joaquim Mendanha apresenta ações e próximos passos da Susep
18 jun Os cuidados ao inserir a cobertura para o seguro de um evento
18 jun Confira a relação do Seguro DPVAT com o mutualismo
18 jun Receita da capitalização cresce 8,1% em quatro meses
15 jun Perspectivas para o mercado de seguros no Brasil
15 jun Normas de contabilidade trazem grande desafio para o setor de seguros
15 jun STJ discute se natureza salarial de hora extra leva a recálculo da aposentadoria
15 jun CVG-SP participa do IX Fórum Nacional de Seguro de Vida e Previdência Privada
4 jun Conseg: todos os olhares voltam-se para o Nordeste
4 jun Presidente da Fenacor diz que Mendanha trouxe avanços frente à Susep
4 jun CNseg realiza pesquisa para atualizar os temas que constarão no próximo Relatório de Sustentabilidade
4 jun Posse da nova diretoria da Fenacor acontece no 3º Consegne
1 jun 500 reais por mês em dez anos viram quase 100 mil na previdência
1 jun Startup brasileira ganha apoio da UNICEF e promete revolucionar setor de seguros com blockchain
1 jun Evento discute a transformação digital do seguro por meio das insurtechs
1 jun PARALISAÇÃO DOS CAMINHONEIROS IMPACTO ECONÔMICO
28 mai Susep estabelece novas regras para o seguro de RC de automóveis
28 mai Seguros e educação financeira estão diretamente ligados
28 mai Agenda SINDSEGRS junho e julho de 2018
28 mai Produção de seguros em Portugal cresceu 6% no primeiro trimestre
23 mai 41% dos poupadores sacaram parte de suas reservas em março, revela indicador do SPC Brasil e CNDL
23 mai A hora do crédito com duplicatas
23 mai Corretores de seguros poderão comercializar produtos do nicho que deverá ser fiscalizado pela Susep
23 mai Maio Amarelo: como o Japão reduziu 80% das mortes no trânsito
21 mai Benefícios sucessórios dos planos de previdência privada
21 mai Crescimento puxado pelo investimento
18 mai Seguro prestamista cresce 21% no primeiro trimestre
18 mai ANSP e AIDA discutem relação entre seguros e educação financeira
18 mai O futuro do dinheiro na banca e nos seguros
18 mai Construindo a agenda de sustentabilidade na América Latina reúne lideranças do mercado
16 mai Sete informações que você precisa saber sobre previdência privada
16 mai Susep criou comissão para analisar o futuro do DPVAT
16 mai Funcesp tem nova diretora de previdência
16 mai SP-PREVCOM promove evento de educação financeira
14 mai Como formar um colchão financeiro quando se é autônomo
14 mai Previdência é mais que aposentadoria
14 mai Reserva para cuidar da saúde
14 mai Disparada do dólar encarece dívidas de empresas no exterior em R$ 115 bilhões
9 mai Os seguros de vida com o melhor custo-benefício, segundo a Proteste
9 mai Previdência Privada. Complementação de aposentadoria. Auxílio cesta-alimentação
9 mai Com medo da aposentadoria? Tire 6 dúvidas sobre previdência privada
9 mai Portabilidade é melhor do que resgate
2 mai Através de dados estatísticos, a Seguradora Líder contribui para melhorar o trânsito
2 mai Estudo técnico sobre PL do Seguro chega ao Senado Federal
2 mai Uma agenda previdenciária para o debate eleitoral
2 mai Mercado de Seguros traz excelente retorno aos investidores
30 abr Valor publica especial sobre Longevidade
30 abr Susep divulga seu Plano de Regulação 2018
30 abr Ministério da Fazenda descarta privatização do seguro de acidente de trabalho
30 abr Dívida pública sobe 1,51% e fecha março em R$ 3,6 trilhões
27 abr Seguro empresarial deve ser encarado como investimento
27 abr Startup cria sistema de avaliação de corretores de seguros pelos clientes
27 abr Conheça os canais oficiais do Seguro DPVAT
27 abr Artigo: cinco formas de organizar o orçamento e guardar dinheiro
25 abr Alta cobrança do IRPF ajuda aporte em PGBL
25 abr Números do primeiro trimestre de 2018 injetam mais otimismo no mercado de seguros
25 abr Corretores de seguros aprovam prestação de contas do Sincor-SP
25 abr Como os milionários planejam a sucessão patrimonial para pagar menos impostos
20 abr Senado aprova Refis para optantes do Simples Nacional
20 abr Segurança das empresas brasileiras é falha
20 abr Construindo a Agenda de Sustentabilidade em Seguros na América Latina
20 abr Conscientização do brasileiro sobre seguros e previdência
18 abr Seguros para indústria estendem proteção de empresa para funcionários
18 abr Consumidores preferem canais tradicionais para aquisição de seguros
18 abr Provedora de dados e analytics investe no mercado brasileiro de seguros
18 abr Corretor deve ficar atento a detalhes na previdência privada
16 abr CSP-MG e entidades de mercado recebem superintendente da Susep
16 abr Risco empresarial será destaque no mercado
16 abr Mercado baixa expectativa de inflação e de alta do PIB em 2018
16 abr Bovespa ronda a estabilidade em manhã de vencimento de opções
10 abr A Herança e o Seguro de Pessoas
05/11/2018

TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção


A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que o índice de correção monetária a ser aplicado a benefício complementar pago por entidade aberta de previdência privada deve ser estipulado pelos órgãos do Sistema Nacional de Seguros Privados.

Para o colegiado, os índices de correção devem ser adotados na seguinte ordem: ORTN, OTN, IPC, BTN, TR e índice geral de preços de ampla publicidade, conforme a época em que vigoraram os planos, inclusive com a substituição da Taxa Referencial (TR) pelo IPCA a partir de 5/9/1996.
A decisão foi tomada por unanimidade em embargos de divergência apresentados por beneficiário de plano de previdência privada. O embargante alegou divergência jurisprudencial entre decisões da Terceira e Quarta Turmas do STJ quanto à possibilidade de utilização da TR na correção de benefício de renda mensal de plano de previdência privada aberta.
O autor da ação pediu que prevalecesse a tese firmada pela Terceira Turma, de que deve ser afastada a aplicação da TR na correção monetária do benefício previdenciário complementar a partir de setembro de 1996, e adotado o INPC ou o IPCA-E, conforme normativos do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e da Superintendência de Seguros Privados (Susep).
O relator dos embargos, ministro Villas Bôas Cueva, destacou haver dois recursos especiais repetitivos pendentes de julgamento no STJ com questões similares (Tema 977). Porém, disse ele, a matéria deveria ser apreciada primeiro pela seção nos embargos de divergência, “pois é recomendável a uniformização da jurisprudência antes de ser cristalizado qualquer entendimento no feito representativo de controvérsia”.

TR

Villas Bôas Cueva explicou que a TR não é índice de correção monetária, pois, refletindo as variações do custo primário da captação dos depósitos a prazo fixo, não constitui fator que reflita a variação do poder aquisitivo da moeda.
O relator citou precedentes do Supremo Tribunal Federal (STF) indicando a impossibilidade de imposição da TR como índice de correção monetária, uma vez que a taxa não é capaz de mensurar o fenômeno inflacionário, pois sua fórmula de cálculo é desvinculada da variação de preços da economia.
O ministro mencionou também a Súmula 295 do STJ (“A Taxa Referencial é indexador válido para contratos posteriores à Lei 8.177/91, desde que pactuada”), porém, conforme observou, nos precedentes que deram origem àquele enunciado, a TR não era utilizada isoladamente, mas, sim, em conjunto com juros bancários ou remuneratórios.
Dessa forma, de acordo com Villas Bôas Cueva, “se a complementação de aposentadoria, de natureza periódica e alimentar, for corrigida unicamente pela TR, acarretará substanciais prejuízos ao assistido, que perderá gradualmente o seu poder aquisitivo com a corrosão da moeda, dando azo ao desequilíbrio contratual”.

Correção

Para o relator, os próprios órgãos reguladores do setor, atentos ao problema, reconheceram a TR como fator inadequado de correção monetária nos contratos de previdência privada aberta, editando várias orientações para a repactuação dos contratos, com o objetivo de substituí-la por um índice geral de preços de ampla publicidade.
“Com a vedação legal da utilização do salário mínimo como fator de correção monetária para os benefícios da previdência privada (Leis 6.205/75 e 6.423/77) e o advento da Lei 6.435/77 (artigo 22), devem ser aplicados os índices de atualização estipulados, ao longo dos anos, pelos órgãos do Sistema Nacional de Seguros Privados, sobretudo para os contratos de previdência privada aberta: na ordem, ORTN, OTN, IPC, BTN, TR e índice geral de preços de ampla publicidade”, explicou.

Direito adquirido

O ministro afirmou que o participante do plano tem direito adquirido ao benefício previdenciário complementar e à efetiva atualização monetária de seu valor. Porém, o direito adquirido não se estende a determinado índice de correção. Dessa forma, é possível a substituição dos índices.
“A substituição de um indexador por outro é possível desde que idôneo para medir a inflação, recompondo a obrigação contratada. Não pode incidir, dessa forma, índice aleatório, que privilegie, por um lado, a entidade de previdência privada ou, por outro, o participante”, frisou.

Custeio

Villas Bôas Cueva citou ainda diversos julgados do STJ no sentido de que a eventual ausência de fonte de custeio para suportar o pagamento das diferenças de correção monetária não tem força para afastar o direito do assistido.
Segundo os precedentes, a entidade de previdência privada tem a responsabilidade de prever a formação, a contribuição e os devidos descontos de seus beneficiários, de forma que a própria legislação estabeleceu mecanismos para que o ente previdenciário supere possíveis déficits e recomponha a reserva garantidora.
“Não prospera, portanto, a alegação da entidade aberta de previdência privada ventilada em contrarrazões no sentido de que a TR deve ser aplicada sem limite temporal para os contratos firmados em data anterior a 1º/1/1997, ao passo que somente para aqueles pactuados em data posterior é que incidiria algum dos índices gerais de preço de ampla publicidade”, afirmou.
Ao acolher os embargos, Villas Bôas Cueva destacou que deve prevalecer a tese firmada pelo acórdão paradigma proferido pela Terceira Turma, visto que a TR não pode ser utilizada como fator de correção dos benefícios da previdência privada após o reconhecimento de sua inidoneidade pelos órgãos governamentais competentes, devendo, em seu lugar, ser adotado algum índice geral de preços de ampla publicidade, que será o IPCA, a partir de 5/9/1996, na ausência de repactuação.

Leia o acórdão.
logotipo zepol