União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

4 dez Um Futuro seguro precisa de planejamento
4 dez Prazo para placas do Mercosul no RS será 17 de dezembro
4 dez Inovação surge para tirar profissionais da zona de conforto
4 dez Câmara cria comissão para analisar novo seguro obrigatório
5 nov TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção
5 nov Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais
5 nov Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo
5 nov Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS
31 out Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria
31 out Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros
31 out Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros
31 out Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador
26 out Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade
26 out ?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?
26 out Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal
26 out Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador
24 out Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?
24 out Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT
24 out Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros
24 out Cuidado! Você pode perder o seu Simples Nacional em 2019!
22 out Troféu JRS 2018
19 out Em 10 anos, Rio Grande do Sul terá mais idosos do que crianças
19 out Governo deve agir para que empresas tornem acessos IoT mais seguros, diz NEC
19 out A Palavra de Ordem é Inovação
19 out Seguradoras que transformam seus negócios e modelos operacionais podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas, afirma estudo da Accenture
16 out Plenário pode votar projeto com novas regras para serviços de seguros
16 out Corretor de seguros não é um intermediário de negócios*
16 out Como escolher uma boa Previdência Privada?
16 out Cada vez mais cedo, brasileiros depositam confiança em previdência privada
11 out Dia da Criança
11 out Dia do Securitário
10 out Planejamento Financeiro e Previdência Privada
10 out Cresce número de consumidores que poupam acima de R$ 50 para os filhos, diz Boa Vista SCPC
10 out Ibovespa cai mais de 2%; investidor repercute declarações de Bolsonaro
10 out Dicas de Planejamento Pessoal
8 out Investidores devem ser conservadores com dinheiro nos próximos 180 dias
8 out Barreira cultural é principal desafio para assinatura eletrônica no Brasil
8 out Seguradoras adotam o uso de tecnologia 'vestível' para criar descontos
8 out Os melhores planos de previdência privada, segundo a Proteste
3 out Seguro de vida empresarial também é vantagem para o executivo
3 out Setor privado prepara projeto de reforma da Previdência para presidente eleito
3 out Congresso destaca oportunidades de negócios e função social dos corretores de vida e previdência privada
3 out CNSeg enviou documento aos presidenciáveis às vésperas das eleições
28 set Seguro de vida em grupo é disseminado, mas pode ser melhor apresentado
28 set Plano VGBL é porta de entrada na previdência
28 set Como negociar ao contratar um plano de previdência?
28 set Assistência digital de Seguradora chega ao Google Assistente e oferece vários serviços exclusivos
24 set Dívida Pública Federal sobe 0,98% em agosto para R$ 3,785 tri, diz Tesouro
24 set Economia de partilha. ?Vamos largar esta ideia de que temos de ser donos de tudo o que usamos? /premium
24 set XP lança robô para recomendar investimentos
24 set Competição em taxas é acirrada nos bancos
17 set União Seguradora comemora 105 anos no Acampamento Farroupilha
17 set Previdência: um dia você vai precisar dela
17 set Mercado segurador cresce apesar da instabilidade política
17 set Primeira turma do Programa Recomeço, desenvolvido pela Seguradora Líder, conclui qualificação
14 set União Seguradora comemora 105 anos.
12 set Seguro DPVAT: de janeiro a julho, Seguradora Líder identificou mais de 6,7 mil pedidos indevidos
12 set Confira os estados onde há vencimento do Seguro DPVAT no mês de setembro
12 set Resseguradores se reúnem em Mônaco; Swiss Re divulga estudo
12 set Projeto de Lei atribui novas responsabilidades à autorreguladora do mercado
10 set 'Pé de meia': confira o melhor investimento para cada fase da vida
10 set Processos Ágeis transformam modelo de negócios no setor de seguros
10 set 5 diferenciais para o corretor de seguros dos dias de hoje
10 set Transformação digital impõe desafios para lideranças do setor de tecnologia das seguradoras
4 set Reforma política coloca o benefício da previdência em pauta
4 set Segundo estudo, apenas 19% dos Brasileiros tem seguro de vida. Especialista dá dicas e ensina corretores de todo Brasil a escalarem seus negócios
4 set Poupança ainda é o investimento preferido do brasileiro
4 set Como o envelhecimento mudou nos últimos 20 anos
4 set Rombo da Previdência é de R$ 35 milhões e o déficit mensal do Paço atinge R$ 20 mi?
29 ago Transformação digital nos seguros: o suco de laranja e a redescoberta do risco
29 ago Mitos e Verdades da Previdência
29 ago Seguro ambiental obrigatório aprovado pela nova lei será um diferencial estratégico para as empresas
29 ago Apenas 18% dos brasileiros pouparam em junho, diz indicador da CNDL
24 ago Confira os investimentos que podem ajudar você a ter uma aposentadoria tranquila
24 ago Por que o brasileiro não pensa em aposentadoria; e como investir para chegar lá
24 ago Projeto permite que corretores de seguros atuem em licitações públicas
24 ago 5 sinais de que o mercado de ICO voltará a crescer
12/09/2018

Resseguradores se reúnem em Mônaco; Swiss Re divulga estudo


Começou no dia e de setembro e termina dia 13, o tradicional evento Monte Carlo Reinsurance Rendez-vous, em Mônaco. Os principais temas da 62º edição são os resseguros ligados a seguros (ILS), além das condições do mundo para a próxima grande temporada de renovações dos contratos de resseguros.

O mercado de resseguros está à beira de entrar em um período de renascimento impulsionado pela tecnologia e securitização, de acordo com altos executivos da corretora Willis Re.

A divisão de resseguros da Aon lançou uma nova equipe da Capital Advisory, liderada por Eric Paire, que reconhece a necessidade de oferecer otimização de capital para seus clientes.

Espera-se que a demanda de resseguro e ILS aumente, mas o preço é fundamental, encontramos em nossa primeira pesquisa de mercado global. A Reinsurance News e a Artemis se uniram para medir a temperatura do mercado global de resseguros no momento mais importante para a indústria.

Uma das tendências citadas pela Swiss Re é a queda de lucratividade do segmento de seguros de bens. O grupo divulgou no evento o seu mais recente estudo: “Profitability in non-life insurance: mind the gap” (Rentabilidade em seguro não vida: cuidado com o desnível), aborda a disparidade em lucratividade existente no setor de seguros não vida.

A análise mostra que as seguradoras nos principais mercados ocidentais e japonês precisam melhorar as margens de subscrição (lucro de subscrição como uma porcentagem de prêmios) em cerca de 5 a 9 pontos percentuais se quiserem gerar um retorno sobre o patrimônio (ROE) desejado de 10% no futuro.

A melhora econômica atual beneficiará a lucratividade futura através de taxas de juros mais altas e retornos de investimento, porém não será suficiente para resolver as diferenças de rentabilidade.
Ao mesmo tempo, espera-se que os mercados de trabalho mais restritos aumentem os salários e a inflação dos sinistros. Deste modo, as taxas de prêmio precisam aumentar mais do que as tendências dos sinistros de modo a obter uma melhoria sustentável em rentabilidade.

O setor global de seguros não vida está passando por uma fase vulnerável do ciclo de rentabilidade, refletindo condições de subscrição e desempenho de investimento fracos e alto nível de fundos de capital. O ROE do setor caiu para 6% no ano passado, de 7% em 2016 e aproximadamente 9% alcançados anualmente entre 2013 e 2015.

A temporada de catástrofes de 2017 pode ter acionado um ponto de inflexão as condições de subscrição continuam fracas em 2018, particularmente em seguros comerciais, mas parecem estar passando por um ponto de inflexão. Isto se deve às grandes perdas geradas pelos furacões em 2017, que prepararam o terreno para uma correção de preços. As taxas de prêmio de linha comercial começaram a subir no final de 2017.
“As perdas geradas por catástrofes em 2017 desencadearam uma alteração modesta na dinâmica do mercado”, afirma Edouard Schmid, diretor executivo de subscrição do Swiss Re Group. “No entanto, falta saber o quão forte e sustentável é o endurecimento do mercado. Os aumentos das taxas de contas e linhas comerciais de negócios não afetados pelas perdas causadas por catástrofes mantiveram-se abaixo das expectativas iniciais, por exemplo”.

Nas linhas particulares, já houve um fortalecimento moderado de taxa em vários mercados importantes há alguns anos. Apesar do modesto fortalecimento da taxa de prêmio, o sigma mostra que é necessário mais trabalho para melhorar o desempenho de subscrição caso os déficits atuais em rentabilidade precisem ser corrigidos.

As margens de subscrição precisam melhorar em torno de 5 a 9 pontos percentuais nos principais mercados ocidentais e japonês para gerar o ROE desejado de 10% aos investidores.

A evolução econômica por si só não resolverá a diferença de rentabilidade. As taxas de juros e os resultados de subscrição de seguradoras não vida estão inter-relacionados a longo prazo. No passado, durante períodos de taxas de juros mais altas, os retornos de investimento mais elevados eram compensados por perdas de subscrição maiores.

https://www.sonhoseguro.com.br/wp-content/uploads/2018/09/Captura-de-Tela-2018-09-10-%C3%A0s-15.20.13.png

Em contrapartida, no ciclo atual, os resultados de subscrição pioraram sem o benefício da compensação do aumento de rendimentos, uma vez que a lenta recuperação pós crise resultou em um cenário prolongado de taxas de juros baixas. O crescimento econômico subjacente melhorou fortemente em 2017 e espera-se que continue em 2018, aumentando a pressão sobre a inflação e as taxas de juros.

Os bancos centrais de vários países já estão retirando o estímulo monetário para evitar um superaquecimento. Isto indica uma mudança no ambiente operacional para seguradoras não vida.

“Sob as atuais condições econômicas mais fortes, esperamos que as taxas de juros nos mercados maduros continuem a subir moderadamente, o que deve apoiar o lucro das seguradoras através de retornos de investimentos mais altos”, declarou Jérôme Jean Haegeli, economista-chefe do Swiss Re Group.

No entanto, “a evolução macroeconômica por si só não resultará em melhorias sustentáveis na rentabilidade do setor não vida. A tendência de queda dos rendimentos de investimento diminuiu, mas, ao mesmo tempo, o aumento nas taxas de juros a longo prazo que nós prevemos não é substancial”.

Além disso, os mercados de trabalho mais apertados estão projetados a empurrar para cima a inflação geral e de sinistros, criando um efeito compensatório sobre a rentabilidade. A crescente inflação de sinistros terá o impacto adicional de supressão da adequação das provisões de sinistros e confirma ainda que, para conseguir uma melhoria sustentável na rentabilidade do setor, será necessário um aumento da taxa de prêmio de seguro que ultrapasse o aumento das tendências de sinistros.

Em sua análise do ciclo de rentabilidade, este sigma demonstra que, a longo prazo, as companhias de seguro apresentaram um nível de rentabilidade comparável com o de empresas de outros setores. De acordo com essas tendências de lucro, uma comparação de duas décadas do desempenho do mercado de ações das seguradoras não vida sugere uma valorização equivalente ou até mesmo acima da paridade.
Além disso, as ações de seguradoras demonstram uma baixa correlação de retornos de preços com outros setores da indústria e, consequentemente, oferecem um valor de oferta aos investidores sob a forma de vantagens em termos de diversificação.

As tendências subjacentes indicam que os ciclos de subscrição estão fortemente integrados em nível global e a todas as linhas de negócios. A análise no sigma identifica um padrão cíclico geral, como também algumas variações –fora de padrão devido às perdas causadas pelas catástrofes naturais e um grau de tendências de preços específicas de países e linhas de negócios. Consequentemente, os negócios não vida em diferentes linhas e países proporcionam vantagens de diversificação ao portfólio de subscrição de uma seguradora.

Outra constatação é que a duração média do ciclo parece ter aumentado desde o início dos anos 1980, quando os bancos centrais mudaram o foco de suas políticas para combater a inflação e grande parte da indústria de serviços financeiros ficou desregulada.

Investimentos em tecnologias favorecem a eficiência e segurabilidade. A pressão sobre os rendimentos não vida aumentou o interesse em inovação. Os investimentos das seguradoras em tecnologia levaram a ganhos de eficiência e margens comprimidas para o sistema de distribuição em linhas comoditizadas.

Em algumas linhas de negócios, a adoção da tecnologia também reduziu os custos de sinistros. As vantagens para a rentabilidade são inicialmente ofuscadas pelos ganhos sendo parcialmente repassados aos clientes através da competição e também pelo custo do investimento em tecnologia.

A longo prazo, os investimentos em dados e analítica avançada melhoram a eficiência, subscrição e segurabilidade de riscos complexos crescentes, seja através da melhoria em viabilidade, acesso ou melhor capacidade de subscrição de riscos novos e difíceis de quantificar.

FONTE: Sonho Seguro
logotipo zepol