União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

25 mai Judicialização excessiva prejudica todo o mercado
25 mai Nova diretoria da Susep vai fiscalizar corretores e autorreguladora
18 mai Projeto de lei para alterar a relação entre clientes, seguradoras e corretores
18 mai Previdência complementar requer atenção aos tributos
28 abr Confiança do setor de seguros sobe 12,8% em abril com cenário político
13 abr Susep muda norma para transferência de carteiras
7 abr Aportes à previdência aberta sobem 24,3% em janeiro, diz FenaPrevi
7 abr Investidores aplicam mais em previdência privada aberta
7 abr Índice de Confiança do Setor de Seguros cresce 10,2% em março
29 mar Cerimônia de outorga da Medalha Cidade de Porto Alegre
28 mar Milton Machado recebe medalha Cidade de Porto Alegre
28 mar Segurada da União recebe prêmio de capitalização
2 mar Setor de seguros reduz faturamento, mas deve crescer 9% Em 2016
2 mar Lideranças do mercado de seguros debatem, em evento na Bahia, futuro do setor à luz dos cenários econômico e político do país
29 fev Susep edita normas para seguradoras, resseguradoras e previdência complementar
11 fev Segurada da União recebe prêmio de capitalização
10 fev Na crise, cresce o desafio de planejar a aposentadoria
8 jan Grupo Aspecir participa de homenagem ao Batalhão de Suez
6 jan Seis fatores para o sucesso da precificação de seguros
6 jan Principais súmulas e decisões de 2015 estão em relatório do Sacha Calmon
6 jan Juros do cartão de crédito chegam a 415,3%
30 dez Confiança do setor de seguros cai 20% em 2015
30 dez Susep aprova acordo entre AXA e SulAmérica no segmento de grandes riscos
30 dez Equilíbrio para grandes desafios
30 dez Expectativa é de mudança de rumos em 2016, diz vice-presidente da Anbima
18 dez Setor de seguros deve desacelerar no Brasil em 2016, prevê CNseg
16 dez Seguro DPVAT está entre principais fontes de custeio do SUS
16 dez CNSP Aprova Seis Resoluções Propostas Pela Susep
16 dez Mercado Segurador devolve para a sociedade R$ 300 milhões por dia
24 nov 56ª Edição do Festival Hípico Noturno
24 nov Mercado de seguro brasileiro vai resistir à recessão, diz Axa
24 nov VGBL sustenta o faturamento do setor de seguros
19 nov A Voz daTradição 083 - União Seguradora
12 nov JULIO MACHADO REPRESENTANTE DO MERCADO GAÚCHO NA CHAPA ÚNICA DA FENAPREVI
28 out Seguro é a saída para fundos de pensão enfrentarem risco de longevidade
28 out Como se preparar financeiramente para grandes eventos
14 out Para onde caminha o mercado de seguros
6 out Aspecir Previdência firma convênio com a FUSEPERGS
5 out Tradição e raízes são lembradas no 13° Troféu JRS
21 set Com crise, financeiras inovam e emprestam dinheiro pela internet
15 set 9 proteções de seguros pouco óbvias que você tem de conhecer
15 set Seguros sobre riscos digitais vão triplicar a US$7,5 bi até 2020, atraindo concorrentes, diz estudo
15 set Com os juros do cartão em alta, saiba como escolher o crédito mais adequado ao seu bolso
15 set Grupo Aspecir na Semana Farroupilha
11 set Apesar da crise, vendas de seguros seguem disparando
11 set Câmara aprova aumento de impostos para seguradoras
11 set Retirada urgência de projeto que cria a Banrisul Corretora de Seguros
11 set Contratação de Seguro para Eventos pode ser obrigatória
24 ago Os próximos vinte anos
21 ago Plenário aprova prazo máximo de 30 dias para seguradoras pagarem indenização
14 ago Grupo Aspecir assina contrato com Prefeitura de Viamão
12 ago União assina contrato com o MTG
11 ago Susep aprova projeto que torna carteira do Corretor obrigatória
28 jul Avança projeto que torna obrigatória carteira do corretor
28 jul Aumento da Selic é um mal necessário, diz economista
23 jul 5 opções de empréstimo que costumam ter juros mais baixos
17 jul Aspecir Previdência comemora 78 anos
14 jul Limite de empréstimo consignado sobe de 30% para 35%
7 jul Índice de Confiança do Setor de Seguros fecha o semestre em queda
15 jun Poupar cedo garante faculdade dos filhos
9 jun UNIÃO SEGURADORA/GRUPO ASPECIR REFORÇA A ÁREA COMERCIAL
29 mai Lucro de seguradoras registra alta de 33% no primeiro trimestre de 2015
29 mai Projeto de lei nacional torna obrigatória carteira de identificação para corretor de seguros
29 mai Quer ser multado? Atualize seus dados na Susep
25 mai Ciência Atuarial tem ganhado destaque em casos de previdência complementar
20 mai Entenda a diferença entre seguro de vida individual e coletivo
14 mai Previc: normas para investimentos em infraestrutura devem sair em agosto
12 mai NOITE DE POSSE NO CLUBE DA PEDRINHA
12 mai Setor de seguros cresce 22,4% no ano
13 abr Joaquim Levy ressalta a importância do Seguro na vida das pessoas
7 abr A Susep desafia as Seguradoras com a Circular 492
2 abr 55ª edição do Festival Hípico Noturno da Brigada Militar tem apoio do Grupo Aspecir
2 abr Diretor Comercial da União fala sobre o papel do Clube da Pedrinha no mercado de seguros
16/07/2018

Previdência: o empresário e a aposentadoria pelo INSS


O sistema de contribuinte individual lhe garante esse direito. Não é porque você não é mais funcionário CLT, com carteira de trabalho assinada, que deve deixar de lado qualquer relação com a Previdência Social. Descobri esses dias – um cunhado meu me contou – que mesmo sendo empresário, eu posso e devo continuar contribuindo com o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) para conseguir ganhar aposentadoria e outros benefícios sociais, além de proteger minha empresa de eventuais fiscalizações da Receita Federal.

Descobri isso enquanto conversava com minha família sobre o meu futuro e sobre a insegurança de que se acontecesse um acidente comigo, todos os meus dependentes teriam sua principal verba interrompida, o que impactaria diretamente em nosso padrão de vida. Dizia que achava importante pagar uma previdência privada e até um seguro de vida, agora que tenho minha própria empresa e que não conto mais com um empregador resolvendo essa questão do INSS para mim. Este meu cunhado, que é advogado, quem diria, previdenciário, me falou que eu poderia fazer as duas coisas: investir em uma aposentadoria privada e em um seguro de vida, além de me tornar um contribuinte e segurado pela Previdência Pública.

Escreverei dois posts, então, sobre o tema. Este primeiro aqui sobre aposentadoria com INSS, sua obrigatoriedade e benefícios previstos. Um segundo, que você lerá daqui a uma semana, mais ou menos, sobre a estratégia privada. Espero que o que estou estudando ajude você em sua escolha!

A Obrigatoriedade da Contribuição para o INSS:

Desde 1999, com a publicação da lei 9.876, o INSS passou a considerar empresários, trabalhadores autônomos ou trabalhadores equiparados a um trabalhador autônomo (como os profissionais liberais), como contribuintes individuais.

Eu mesmo tinha uma dúvida sobre se eu poderia escolher ou não me tornar um contribuinte, se isso era optativo. Para minha surpresa, este meu cunhado, que é um bom advogado previdenciário, esclareceu que exercer qualquer tipo de atividade remunerada e não recolher impostos para a previdência social pode fazer com que, em uma fiscalização da Receita Federal, minha empresa tenha que pagar multas e recolher todos os valores que a Receita determinar como adequados para a Previdência Social.

Apesar de ficar surpreso com a informação, mandei logo a pergunta que todos nós empresários faríamos: “Então quem não é obrigado a pagar para receber a aposentadoria pelo INSS?”. Ele respondeu: “Somente donas de casa, síndicos não remunerados, estudantes, estagiários, presidiários que não exercem atividades remuneradas e brasileiros que moram no exterior. Todos eles poderiam contribuir de forma facultativa, mas os empresários e autônomos têm a obrigação de contribuir para evitar multas e fiscalizações”.

Depois dessa resposta, fui me informar sobre como entrar no regime previdenciário e regularizar minha situação.

Entrando no regime

Para entrar no regime da Previdência Social, o empresário deve se tornar um Contribuinte Individual. Para isso, ele deve se inscrever nas Agências da Previdência Social, pela Central de Atendimento através do telefone 135 ou efetuando o primeiro recolhimento em GPS utilizando o número do PIS/PASEP.

Como aumentar o retorno que a contribuição pode me trazer?

Há um detalhe que pouca gente conhece e que descobri ao falar com meu contador. No caso dos contribuintes facultativos (aqueles casos que citei acima), não é permitido que realizem o pagamento de contribuições relativas a meses anteriores à data de inscrição na previdência. Já para os contribuintes obrigatórios, o ideal seria fazer as contribuições anteriores, pois só isso assegura que a fiscalização não multe a empresa.

Outro ponto que meu contador alertou foi o seguinte: Quando o empresário exerce atividade remunerada em sua própria empresa, ele recebe o chamado pró-labore, que funciona como uma espécie de salário dos sócios ou donos de empresas (sobre o qual já falei em outro post), o valor desse pró-labore deve ser incluso na folha de pagamento da empresa. Isso fará com que a empresa pague um percentual de 20% para o governo sobre o valor total de sua folha de pagamento, exceções feitas às empresas optantes pelo Simples Nacional, Micro Empreendedores individuais (MEI) ou Plano Simplificado que contribuem com taxas mensais e únificadas. Legal levar em conta que no valor do pró-labore repassado para o sócio ou dono da empresa incide contribuição previdenciária (11%) da pessoa física.

Caso o empresário não tenha um pró-labore e só receba um valor sobre os dividendos, ele deverá contribuir mais, arcando com 20% de todos os seus ganhos em tributos para o INSS. Enquanto, ao incluir seu pró-labore na folha salarial da empresa, o máximo de seu imposto para o INSS seria de R$ 513,01, já que o teto da previdência atual está determinado em R$ 4.663,75 (observe que este valor é corrigido anualmente). No meu caso, avaliei junto ao meu contador que incluir o meu pró-labore na folha de pagamento era o melhor meio para ter um maior retorno sobre o tempo de contribuição com relação ao momento em que eu pendurar as chuteiras.
Meu cunhado também me lembrou de mais uma questão: “O valor que você receberá na aposentadoria não é sobre todo tempo de contribuição. O cálculo que o INSS faz leva em conta a média aritmética de todas as suas contribuições realizadas a partir de 1994, excluindo 20% dos valores menores e considerando depois o fator previdenciário”.

Achei uma reportagem bem interessante do Agora que explica isso. Vou compartilhar com vocês: “para definir o valor do benefício que será pago, a Previdência pega todos os salários recebidos pelo trabalhador desde 1994, exclui os 20% menores e calcula a média. Com valor e com a nova tabela do fator previdenciário (que reduz os benefícios de quem se aposenta mais cedo), é possível concluir se o segurado estará no topo dos pagamentos do INSS. Um trabalhador com 64 anos de idade e 44 de contribuição precisa de uma média salarial de R$ 3.209,78 para ganhar o teto.”

Só recebo a aposentadoria ou tenho direito a outros benefícios?

Essa foi a última pergunta que fiz tanto para o meu cunhado quanto para meu contador.  Eles responderam que ao me tornar um segurado obrigatório, todos os benefícios a que os trabalhadores com carteira assinada têm direito são estendidos para mim, ou seja, eu teria direito a aposentadoria por invalidez, por tempo de contribuição, idade ou especial (caso a pessoa trabalhe com agentes químicos, físicos, biológicos e/ou nocivos à sua saúde); ou poderia solicitar auxílio-doença, auxílio-acidente ou até auxílio-reclusão, caso fosse preso; e minha família teria direito à pensão por morte.

Isso é apenas para exemplificar a história. No fim das contas, o melhor é falar com seu contador, para ele ver sua situação específica e te orientar de acordo com a sua realidade. Eu falarei ainda mais com o meu!

Fonte wwwguiaempreendedor.com
logotipo zepol