União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

1 fev Seguradoras sobem 3% e renovam máxima histórica; siderúrgicas estendem rali e Petrobras avança com petróleo
1 fev Seguradoras despontam como o setor mais propenso a mudar o relacionamento com os fornecedores neste ano
1 fev Presidente da Aconseg-RJ vê 2018 com confiança
1 fev Congresso de Corretores de Seguros do Sul do Brasil - BRASESUL/2018
22 dez Gaspar Luiz Machado, 60 anos dedicados ao Mercado Segurador
30 nov Grupo Aspecir apoia o Festival Hípico Noturno
10 nov Urbim, uma vida dedicada ao Mercado Segurador
30 out Eventos marcam os 500 anos da Reforma Luterana em Porto Alegre e Santa Rosa
30 out Troféu JRS - 15 anos
19 out Dia Mundial de Combate ao Câncer de Mama
2 out Destaques do Mercado de Seguros de Vida e Previdência
22 set Susep vai regulamentar seguro funeral
22 set Especialista em educação financeira dá dicas para quem deseja se aposentar
21 set Setor de seguros supera R$ 1 tri e pode trazer novo ciclo, afirma presidente da CNseg
19 set José Cairoli, governador do RS em exercício, prestigia ação do Grupo Aspecir, no Acampamento Farroupilha
11 set Produção de seguros sobe 0,6% até junho em termos homólogos - ASF
4 set Troca de previdência privada ganha força com reforma na aposentadoria
29 ago O mercado está pronto para absorver seguros?
29 ago Sincor-SP ressalta importância dos seguros de vida e previdência para população e o mercado
29 ago Pansera: Corretor, chegou a hora do recadastramento
29 ago Brasília: um mercado de oportunidades para o ramo de seguros
20 jul Planos de previdência são opção para futuro estável
29/08/2017

O mercado está pronto para absorver seguros?


Falar em maturidade no mercado de seguros brasileiro requer avaliações sob alguns pontos de vista. Porém, em linhas gerais, é possível dizer que temos, sim, um mercado maduro, mas, ainda, com muito potencial a ser explorado, se bem entendido e atendido.
Em 2016, o setor, que é supervisionado pela Susep, registrou uma trajetória consistentemente ascendente: 5,7% até maio, 6,5% até julho, 7,2% até setembro e 8,2% até novembro. Como um todo, o mercado de seguros arrecadou R$ 291,5 bilhões. Esses números demonstram o dinamismo do segmento e a sua capacidade de crescer mesmo em um ambiente econômico desfavorável. Para 2017, a previsão é de um crescimento consolidado entre 9% e 11%.
Visto isso, o que esperar das empresas seguradoras? Será que além dos seguros individuais, o mercado está preparado para trabalhar com mais empenho nos seguros empresariais? Há, nessa área, um grande campo a ser trabalhado. Imagine que dados do setor apontam que apenas 9% das empresas brasileiras têm algum seguro atualmente. Ora, se pensarmos que hoje temos mais de 19 milhões de empresas ativas no país, há aí um mercado interessantíssimo, correto?
Ter um seguro pode ser vital para uma empresa independente da área de atuação, porte ou quantidade de colaboradores. Vimos recentemente alguns casos impressionantes. Um supermercado em São Paulo que pegou fogo e infelizmente nada pode ser salvo. Uma universidade no Rio de Janeiro, que também sofreu um incêndio e teve instalações danificadas. Se o prejuízo é grande nesses casos – de empresas/instituições maiores e teoricamente com a possibilidade de reconstrução – imagine no caso de PMEs?
Interessante, neste aspecto, é trabalhar e disseminar a cultura do seguro empresarial. Principalmente porque vemos, especialmente entre os donos de PMEs, uma percepção de que ter um seguro não é algo possível ou viável para eles. Quando, na realidade, é possível e necessário que estejam protegidos tendo, por exemplo e minimamente, um seguro empresarial, um seguro auto (em caso de frota própria), um seguro de responsabilidade civil e um seguro de transportes e benefícios para retenção de talentos (como seguro de vida, saúde, odontológico e previdência privada).
Para sermos práticos e objetivos: existem seguros empresariais para micro negócios que cobrem tanto os pertences da residência quanto os equipamentos da empresa por singelos R$ 100/ano! E seguros de vida que oferecem não só a realização de serviço funerário como também indenização mediante invalidez por acidente, uma das maiores preocupações do brasileiro, por outros R$ 50/ano para uma pessoa de 45 anos. Será que os donos de PMEs têm consciência dessa realidade, isto é, pode-se ter proteção do negócio a preços justos? Ou alguém, em sã consciência, diria que estes custos não cabem no bolso da maior parte dos brasileiros?
Claro, as soluções vão variar de acordo com a área de atuação e particularidades de cada empresa. Mas eu diria que é vital que pequenos e médios varejistas, industriais e até artesãos (porque não?), possam ter garantias sobre seus patrimônios, muitas vezes conquistados com todas as economias da família. Que tal pensar no assunto? Garantias: Os riscos que seu patrimônio corre e como evitar que ele seja perdido
Richard Freitas — Sócio-diretor da protect, microfranquia especializada em seguros e soluções administrativas para PMEs, que pode ser operada home based.
logotipo zepol