União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

2 abr Você conhece os benefícios de investir em uma previdência privada?
18 mar Pesquisa diz que 56% dos brasileiros vão contar apenas com o INSS
18 mar Como começar a investir em uma renda variável?
18 mar Devo ficar no plano corporativo de previdência após demissão?
18 mar IFRS 17 promove transformação no segmento de seguros
13 mar Seguro de vida é plano de risco que mais cresce em razão da violência
13 mar Previdência privada perdeu 224 mil participantes
13 mar Empresários projetam ano com avanço lento em encontro no Marcas de Quem Decide
13 mar Previdência privada é opção para quem planeja bem o futuro
8 fev As principais tendências e expectativas de crescimento do mercado de seguros para 2019
8 fev Planejamento da aposentadoria: muito além da reforma
8 fev Mercado de seguros tem lucro de R$ 14,7 bilhões
8 fev Proposta da previdência concede aposentadoria básica de até 700 reais para todas as pessoas
6 fev Como garantir seu futuro investindo na previdência privada?
6 fev Com reforma da Previdência como prioridade, governo adia promessas
6 fev Nove a cada dez brasileiros aposentados dependem do INSS pra sobreviver
6 fev Proposta para a Previdência prevê aposentadoria integral para servidor só aos 65 anos
4 fev Mercado livre de energia busca crescimento
4 fev Começa a contagem regressiva para declarar Imposto de Renda
4 fev Reforma da Previdência: por que 4 países da América Latina revisam modelo de capitalização, prometido por Guedes ...
4 fev Mercado reduz expectativa de alta do IPCA para 2019
4 fev Bolsas da Europa fecham sem sinal único, em dia de foco em empresas
1 fev Funpresp: qual a melhor decisão?
1 fev Imposto de Renda 2019: O leão está chegando!
1 fev O custo da herança: seguro de vida auxilia herdeiros a pagarem despesas para ter acesso ao dinheiro
1 fev Corretor de Seguros deve ficar atento em algumas situações para não ser punido
23 jan Seguros podem ser a ?Tábua de Salvação? em questões de saúde
23 jan Susep preparada para novo Brasil
23 jan Conheça algumas razões para contratar um seguro de vida
21 jan Planejamento pra garantir o futuro
21 jan Capitalização
21 jan Você está preparado para a reforma da Previdência?
21 jan 'Aposentadoria como conhecemos hoje vai desaparecer', diz economista
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
18 jan Planejamento financeiro para 2019: por onde começar?
18 jan Evolução Digital x Transformação Digital: Qual é a diferença?
18 jan IR 2019: Reúna agora os papéis e tenha chance de receber restituição antes ...
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
14 jan O abandono da ideia de fundir Susep e Previc
14 jan Ciência, tecnologia e seguros são novidades em 2019
14 jan Calendário de pagamento do Seguro DPVAT já está disponível na internet
14 jan Proposta de previdência híbrida pode ser boa solução
11 jan Recado para o brasileiro repensar a sua aposentadoria
11 jan Fundos Data Alvo: uma alternativa para os desafios da aposentadoria
11 jan Onde cotar seguro viagem com bons preços; dicas práticas
11 jan Brasileiros aderem aos seguros de vida para proteção da renda familiar
9 jan Planejamento para as despesas de início de ano
9 jan Previdência Privada PGBL ou VGBL: qual a melhor opção para você?
9 jan Fusão de Previc e Susep está suspensa, informa O Globo
9 jan A forma simples e eficaz de fidelizar segurados
7 jan Sobe número de brasileiros que conseguem guardar dinheiro
7 jan CNSP regulamenta mercado de anuidades
7 jan Adesão ao Simples Nacional vai até o fim de janeiro
7 jan Mercado de capitalização projeta um crescimento entre 7% e 8% em 2019
4 jan #RetrospectivaDPVAT: Fique por dentro das principais iniciativas de 2018
4 jan Lucro das seguradoras avança para R$ 13,3 bi até novembro de 2018
4 jan Conjuntura CNseg
4 jan O Mercado de Seguros precisa mudar. Se isso acontecer, será incrível!
28 dez Feliz 2019
14 dez União Seguradora fecha o ano com novos negócios
14 dez Uma parceria de sucesso
14 dez Corretor que buscar cobertura para cliente no mercado internacional em desacordo com a legislação está sujeito a penalidade
14 dez CNseg: resiliência e diversificação mantêm crescimento do setor
4 dez Um Futuro seguro precisa de planejamento
4 dez Prazo para placas do Mercosul no RS será 17 de dezembro
4 dez Inovação surge para tirar profissionais da zona de conforto
4 dez Câmara cria comissão para analisar novo seguro obrigatório
5 nov TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção
5 nov Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais
5 nov Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo
5 nov Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS
31 out Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria
31 out Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros
31 out Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros
31 out Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador
26 out Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade
26 out ?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?
26 out Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal
26 out Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador
24 out Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?
24 out Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT
24 out Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros
24 out Cuidado! Você pode perder o seu Simples Nacional em 2019!
22 out Troféu JRS 2018
19 out Em 10 anos, Rio Grande do Sul terá mais idosos do que crianças
19 out Governo deve agir para que empresas tornem acessos IoT mais seguros, diz NEC
19 out A Palavra de Ordem é Inovação
19 out Seguradoras que transformam seus negócios e modelos operacionais podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas, afirma estudo da Accenture
16 out Plenário pode votar projeto com novas regras para serviços de seguros
16 out Corretor de seguros não é um intermediário de negócios*
16 out Como escolher uma boa Previdência Privada?
16 out Cada vez mais cedo, brasileiros depositam confiança em previdência privada
11 out Dia da Criança
11 out Dia do Securitário
10 out Planejamento Financeiro e Previdência Privada
10 out Cresce número de consumidores que poupam acima de R$ 50 para os filhos, diz Boa Vista SCPC
10 out Ibovespa cai mais de 2%; investidor repercute declarações de Bolsonaro
10 out Dicas de Planejamento Pessoal
8 out Investidores devem ser conservadores com dinheiro nos próximos 180 dias
8 out Barreira cultural é principal desafio para assinatura eletrônica no Brasil
8 out Seguradoras adotam o uso de tecnologia 'vestível' para criar descontos
8 out Os melhores planos de previdência privada, segundo a Proteste
3 out Seguro de vida empresarial também é vantagem para o executivo
3 out Setor privado prepara projeto de reforma da Previdência para presidente eleito
3 out Congresso destaca oportunidades de negócios e função social dos corretores de vida e previdência privada
3 out CNSeg enviou documento aos presidenciáveis às vésperas das eleições
28 set Seguro de vida em grupo é disseminado, mas pode ser melhor apresentado
28 set Plano VGBL é porta de entrada na previdência
28 set Como negociar ao contratar um plano de previdência?
28 set Assistência digital de Seguradora chega ao Google Assistente e oferece vários serviços exclusivos
24 set Dívida Pública Federal sobe 0,98% em agosto para R$ 3,785 tri, diz Tesouro
24 set Economia de partilha. ?Vamos largar esta ideia de que temos de ser donos de tudo o que usamos? /premium
04/01/2019

O Mercado de Seguros precisa mudar. Se isso acontecer, será incrível!


Sou absolutamente contra saudosismos. O que não funciona deve acabar para dar lugar ao novo e melhor. Nunca me apeguei ao que não funciona porque tenho claro que precisamos de transformação para avançar. E quando falo de mudanças no mercado de seguros não é apenas de estrutura, de relações, mas também de pessoas. Tem muita gente sem qualificação e que não faz nenhum esforço para melhorar. O setor nunca será grande se continuarmos exigindo pouco de quem faz parte dele. É hora de dar um salto do ruim para o ótimo e quem não tomar iniciativa para que isso aconteça, corre o risco de desaparecer ou ficar cada vez menor e passará por dificuldades. Precisamos ser pragmáticos e objetivos. Devemos ser mais profissionais. Temos parar de fingir que fazemos planejamentos e realmente fazê-los e executar. Planejamento sem ação, sem métricas de avaliação, sem avaliação constante e sem correção não serve para nada.

Estamos chegando ao final de mais um ano onde o nosso mercado andou de lado. Além de não crescer, diminuiu nos ramos onde a maioria dos corretores opera, como o seguro de automóvel. Alguns falarão que é a crise econômica, e concordo até certo ponto, e digo isso porque o número de emplacamentos de veículos aumentou 14% em 2018 se confrontarmos com 2018 e o prêmio líquido emitido da carteira empatou. Mesmo com os reajustes de preços em função da piora da sinistralidade, não avançamos. A frota segurada diminuiu. Nunca passamos de 20% de itens circulantes segurados. Sabemos que 80% dos itens segurados tem idade de até 5 anos. O veículo envelhece, perde seu valor e o custo do seguro não vai na mesma proporção. Em algumas situações, até aumenta. E não adianta vir com o papo simplista de que temos que diversificar porque não é fácil.

Os corretores não querem depender apenas do seguro de automóvel, mas temos um problema cultural em que as seguradoras também têm a sua parcela de culpa. Sempre falo nas palestras e repito: gostaria de ver alguns executivos de seguradoras no lugar dos corretores por seis meses para ver os resultados. Falar é mole. Estar atrás de uma marca forte e com um salário alto no final do mês é confortável demais. Aí talvez entre a questão de mudança de pessoas. Temos um sistema cansado com cabeças pouco inovadoras que focam o resultado acima de tudo (e não estou dizendo que isso é 100% negativo) e que acabam deixando de lado o crescimento. A produção troca de mãos a cada ano. Não cresce em momentos difíceis porque todos ficam entrincheirados esperando a alta da Selic para arriscar um pouquinho e se garantirem nos resultado financeiro para compensar o operacional.

Os últimos 4 anos foram terríveis para diversos setores, não foi diferente para os corretores de seguros. Os corretores pequenos e médios sofrem desde o final de 2014 em função da crise econômica e há muito tempo pela indiferença do nosso sistema e de algumas seguradoras que são insensíveis a nossa realidade. No Rio de Janeiro a situação ainda é mais grave, em função da dependência histórica do petróleo, seguidos governos que saquearam o estado, o maior percentual de desempregados, aumento da sinistralidade no produto automóvel e associações de proteção veicular.

Estou no mercado de seguros há 28 anos, durante 21 anos como segurador, e não vi durante todo esse tempo nada que pudesse citar como exemplo de algo que realmente tenha sido feito para ajudar os corretores a se qualificarem. O que vejo é um sistema travado, que investe a “verba institucional” em “ensino” para dizer que algo foi feito e que se agarram aos modelos engessados e que não se importa com quem é responsável por diariamente buscar negócios, entregar nas seguradoras e ser remunerado apenas por suas vendas. Parece não saber que ainda somos responsáveis por 80% da distribuição e somos quem coloca o dinheiro que paga salários e bônus dos funcionários das seguradoras.

Na minha caminhada de 1 ano e 8 meses como Diretor de Ensino do SINCOR RJ (Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado do Rio de Janeiro) e com o relacionamento mais próximo que tenho tido com as seguradoras devido a função que estou desempenhando, tenho percebido o quanto poucas seguradoras (e executivos) se interessam realmente pelos corretores pequenos e médios e querem ajudar. A maioria, não todas e todos, não está nem aí e quando falamos em qualificar corretores que não possuem recursos e que tem dificuldades em investir em treinamento de seus (poucos) funcionários.

Em 17/11/2017 escrevi um artigo sobre as seguradoras terem descolado da realidade dos corretores e não saberem mais quais as nossas necessidades com ações e treinamentos que não nos interessam (https://panoramaseguro.com.br/mercado/as-seguradoras-precisam-conhecer-os-corretores-de-verdade/) e logo em seguida, 24/11/2017, mais um sobre as seguradoras terem um papel fundamental na qualificação dos corretores (https://panoramaseguro.com.br/seguros-gerais/e-preciso-mudar-a-relacao-entre-seguradoras-e-corretores-para-avancarmos-na-qualificaca/) e não estarem ajudando como poderiam e deveriam. Adiantou alguma coisa? Acho que não. E aqui estou eu escrevendo novamente porque acho que agora caminhamos de verdade para algum tipo de mudança e precisamos buscar uma reversão na deterioração no relacionamento entre corretores e seguradoras que vem se agravando nos últimos 10 anos.

Temos um mercado excessivamente concentrado onde as 10 principais seguradoras tem 80% da produção do mercado. Temos uma penetração no PIB pífia de mais ou menos 3,5% e que os dirigentes do mercado dizem que é 6% para esconder a ineficiência dos órgãos que representam o sistema. Pessoas comandam empresas e instituições e por isso comecei o texto dizendo que uma transformação do nosso mercado passa pela mudança de quem está aí há muito tempo e “não quer largar o osso”. E isso não é apenas em seguradoras, mas também em corretoras e todas as instituições e entidades que fazem parte do nosso sistema.

Espero que o novo governo realmente execute mudanças no nosso sistema e que abra o setor financeiro e de seguros para a concorrência. Em uma última apresentação sobre o setor de seguros no Brasil em material do Ministério da Fazenda, dois slides mostram que nosso mercado é pequeno comparados a outros países e ineficiente devido as altas margens de retorno sobre patrimônio líquido que as seguradoras. Enquanto a margem média no mundo é de 8% aqui no Brasil é de 24% pelos últimos dados disponíveis. Parece que temos algo errado e para o mercado crescer, precisamos mudar.

Apenas para ilustrar e guardadas as devidas proporções, nos EUA temos 12 mil bancos e cooperativas de créditos e 3,7 mil seguradoras. Os EUA tem por volta de 340 milhões de habitantes e no Brasil temos 210 milhões. Não existe um número preciso sobre corretores, agentes e produtores no mercado de seguros nos EUA porque cada estado americano possui regras próprias para conceder licenças, mas enquanto aqui temos 60 mil corretores ativos habilitados, lá o número de pessoas envolvidas nas vendas é de aproximadamente 5 milhões de pessoas, de acordo com o último levantamento em 2016.

É óbvio que a abertura do mercado financeiro com a entrada de novos bancos e fintechs e de seguros com novas seguradoras e agentes, também irá impactar os corretores de seguros. Não é mais possível em um país como o Brasil que 64% da população nunca tenha sido abordada por um corretor de seguros e a culpa disso não é só nossa (corretores). O “velho” precisa ser varrido. Falo de seguradoras que não são parceiras de verdade e executivos de companhias que querem impor aos corretores planejamentos que interessam apenas a eles. Os corretores precisam saber o que é melhor para o seu negócio da mesma forma que a seguradoras sabem o que é melhor para elas. Nem sempre o que funciona para elas é o que serve para nós. Em função de nosso tamanho e falta de dinheiro para investir, precisamos cada vez ter mais foco no que realmente nos traz resultados.

Um sistema de seguros aberto será um teste para seguradoras, seus executivos e também para os corretores. Muito se tem falado em inovação e tecnologia e hoje 95% dos corretores não tem acesso a nenhum tipo de melhorias que possam ser implantadas nas suas operações. Interessa corretores mais preparados e melhores? Mudança gera dor para todos e quem estiver mais preparado irá sobreviver e ter um mercado muito mais promissor.

Se posso dar um conselho para os corretores é: qualifiquem-se. Não esperem que carreguem vocês no colo até uma sala de aula. Não dependam apenas dos treinamentos das seguradoras. Nós precisamos assumir o protagonismo na nossa educação e nos consolidarmos como canal de distribuição. Sermos muito melhores que somos hoje e respeitados por isso. Sem estratégia e planejamento não saímos do lugar. Canso de falar isso nas palestras e nos cursos e acabo sendo cansativo porque parece que a maioria dos corretores ainda não entenderam que estamos de verdade em um processo de transformação que irá se acelerar a partir de 2019. O mundo mudou e não será diferente aqui.

Com certeza que daqui três ou cinco anos os corretores de seguros que estiverem no mercado encontrarão a medida certa de se relacionar com as seguradoras e tenho esperança que as companhias entendam que parceria é muito mais que café da manhã, salgadinhos e cerveja. Os corretores precisam de parceria de verdade e de ajuda para se desenvolverem. Não estou falando de muletas, mas de gerentes comerciais que cheguem nas corretoras com mais do que “tem algum problema para resolver?”. Esperamos muito mais que isso de uma seguradora. É hora de amadurecermos relações e fazermos negócios. Perguntem: “Onde temos oportunidades de crescermos juntos?” ou “Em que podemos ajudar para melhorar a sua operação?”. As respostas serão surpreendentes.

Não estou generalizando. Generalizar é sempre uma demonstração de radicalismo e não é a intenção do texto. Temos seguradoras que demonstram boa vontade e alguns executivos que mesmo com as restrições impostas, tentam ajudar os corretores, mas é notório que é cada um por si e ponto final.

E um último recado para um diretor de uma seguradora que me falou que não vale a pena o esforço que eu faço pelos corretores pequenos através da diretoria de ensino do SINCOR RJ e também na KUANTTA: Eu não vou parar!

Fonte: Portal Nacional de Seguros por Arley Boullosa

logotipo zepol