União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

17 jul Aspecir Previdência completa 82 anos com os melhores resultados do mercado
15 jul Aspecir Previdência tem o maior rendimento em fundos de renda fixa nos últimos tempos
15 jul Arquivos de mídia no WhatsApp e Telegram podem não ser tão seguros
15 jul Benefício menor exigirá planejamento financeiro de famílias
15 jul INSS: É possível ter mais de uma aposentadoria?
5 jul Caderno Finanças Mais, do Estadão, traz especial sobre empresas do setor financeiro, com destaque para o setor segurador
5 jul Mais acessíveis, seguros de vida ganham espaço no mercado
5 jul Susep promete mais ?espaço? para o mercado crescer
1 jul União amplia relacionamento com MTG/RS
28 jun A 88i é um app de serviços digitais para a contratação de seguros e assistências
28 jun Liquidação extrajudicial não autoriza instituição a levantar valores depositados em cumprimento de sentença
28 jun Para cálculo da renda inicial de previdência complementar, prevalecem regras da época da aposentadoria
28 jun "Há 4 anos fiz um VGBL para minha filha e todo mês aplico R$ 130. Vale a pena manter esse investimento?"
24 jun União Seguradora contempla MG com prêmio de Capitalização
24 jun Saiba por quanto tempo guardar comprovantes e notas fiscais
24 jun Ecossistemas digitais: juntos vamos mais longe
24 jun Banco digital acelera expansão e testa fôlego do segmento
21 jun Setor segurador registra alta de 4,9% no acumulado até abril
21 jun Susep anuncia avanços expressivos para a inovação em seguros
21 jun CIAB: mercado segurador vive o estágio de Reinvenção Digital
21 jun Os aspectos da Nova Previdência e os impactos na sociedade e no seguro
19 jun Setor segurador registra alta de 4,9% no acumulado até abril
19 jun Aumenta participação de ?Insurtechs? no setor de seguros
19 jun Previdência Privada: até qual idade aderir?
18 jun União entrega mais um prêmio de capitalização
17 jun Créditos de PIS e COFINS ? Insumos EPIs, Emplacamento e Seguro
17 jun O corretor não é o vilão. O vilão não está na comissão
17 jun Aposentar somente pelo INSS é suficiente? Saiba mais sobre a Previdência Privada
17 jun 65% das pessoas que guardam dinheiro escolhem poupança, diz pesquisa; medo e costume estão entre as justificativas
12 jun Grupo Aspecir em Belo Horizonte
7 jun Presidente do Grupo Aspecir recebe Comenda Metropolitana
7 jun União Seguradora entrega prêmio
5 jun Uso da tecnologia traz benefícios para o mercado de seguros
5 jun Susep alerta Corretor sobre Riscos Excluídos
5 jun Instituições financeiras podem explorar sistemas bancários integrados para oferecer serviços digitais seguros, diz Unisys
5 jun A Importância da Importância do Corretor de Seguros
24 mai No mês da conscientização no trânsito, confira dicas para evitar acidentes
24 mai Entenda como funciona a previdência complementar no Brasil
24 mai Setor tem números positivos até março de 2019 e provisões técnicas avançam 10%
24 mai Susep nomeia diretores
20 mai Combate a fraude no Seguro DPVAT
20 mai Previdência privada: reservas atingem R$ 857 bilhões
20 mai Previdência aberta terá R$ 1 trilhão em patrimônio até o final deste ano
20 mai Empresas com investimentos represados
17 mai Diretor comercial do Grupo MBM assume mandato na FenaPrevi
17 mai Setor de seguros brasileiro vê explosão de startups
17 mai Seguro contra inadimplência tem alta de 25,5% no primeiro trimestre do ano
17 mai Como criar aplicativos 100% seguros?
15 mai ?A empresa onde trabalho tem plano de previdência privada com coparticipação. Vale a pena??
15 mai Maio Amarelo: conheça a campanha nacional de 2019
15 mai China vai abrir ainda mais os setores bancários e de seguros
15 mai Nova norma para insurtechs deve sair em 30 dias, diz Solange Vieira, da Susep
3 mai Insurance, conheça todos os detalhes sobre os seguros
3 mai Seguradora Líder promove encontro com Sindicatos das Seguradoras de todo o Brasil
3 mai Mitos e verdades sobre a previdência privada
3 mai Previc e Susep apresentam propostas para fusão das reguladoras de previdência
26 abr Levy diz que reforma pode favorecer investimentos em infraestrutura
26 abr Reforma aumenta a procura por previdência privada no Vale do Paraíba
26 abr Reforma da Previdência reduz subsídios para ricos, diz secretário
24 abr Cotação Premiada de Páscoa
23 abr Previdência com seguro?
23 abr IR 2019: Seguro obrigatório de carro DPVAT é isento, mas deve ser informado
23 abr Aproveite a segunda-feira para investir e planejar seu futuro
23 abr Ramo de pessoas deve impulsionar crescimento do mercado de seguros em 2019
18 abr Plano de previdência privada é impenhorável, decide TRT-2
18 abr Tem previdência privada? Saiba como declarar valores no Imposto de Renda
18 abr Procura por seguros cresce no primeiro trimestre e demonstra preocupação do brasileiro com a insegurança
18 abr Crescimento do seguro de vida no setor audiovisual
15 abr Executivos explicam segredo para crescimento de 171,19% da União Seguradora
12 abr Volta à Câmara projeto que exige de corretor de seguros habilitação da Susep
12 abr Uma providência para a previdência privada
12 abr Você conhece os benefícios de investir em uma previdência privada?
12 abr O acordão da Previdência
10 abr Relatório Anual 2018 da Seguradora Líder é destaque na mídia
10 abr Seguro de vida: STJ afirma que seguradoras devem provar má-fé de seus clientes para recusar benefício
10 abr Aposentadoria Privada x Aposentadoria Pública: Qual escolher?
10 abr Minoria poupa ou tem investimento para a velhice, aponta Datafolha - Folha de S. Paulo
8 abr Seguradora Líder promove treinamentos e encontros com foco no atendimento aos beneficiários do Seguro DPVAT
8 abr O seguro é mais seguro
8 abr Diretores da Susep são exonerados
8 abr Lei de proteção de dados para o mercado de seguros
5 abr Os benefícios de investir em uma previdência privada
5 abr Mercado cresceu 4,4% no primeiro bimestre
5 abr Indenização do seguro precisa ser declarada no imposto de renda
5 abr Superintendente da Susep diz que mercado é ?gigante?
4 abr União Seguradora prestigia lançamento do Seguro Viagem da Lato Seguros
2 abr População com mais de 60 cresce e movimenta cerca de R$ 1 trilhão
2 abr Valor publica especial sobre Previdência Aberta
2 abr SUSEP divulga novas regras para segmento de seguro
2 abr Você conhece os benefícios de investir em uma previdência privada?
18 mar Pesquisa diz que 56% dos brasileiros vão contar apenas com o INSS
18 mar Como começar a investir em uma renda variável?
18 mar Devo ficar no plano corporativo de previdência após demissão?
18 mar IFRS 17 promove transformação no segmento de seguros
13 mar Seguro de vida é plano de risco que mais cresce em razão da violência
13 mar Previdência privada perdeu 224 mil participantes
13 mar Empresários projetam ano com avanço lento em encontro no Marcas de Quem Decide
13 mar Previdência privada é opção para quem planeja bem o futuro
8 fev As principais tendências e expectativas de crescimento do mercado de seguros para 2019
8 fev Planejamento da aposentadoria: muito além da reforma
8 fev Mercado de seguros tem lucro de R$ 14,7 bilhões
8 fev Proposta da previdência concede aposentadoria básica de até 700 reais para todas as pessoas
6 fev Como garantir seu futuro investindo na previdência privada?
6 fev Com reforma da Previdência como prioridade, governo adia promessas
6 fev Nove a cada dez brasileiros aposentados dependem do INSS pra sobreviver
6 fev Proposta para a Previdência prevê aposentadoria integral para servidor só aos 65 anos
4 fev Mercado livre de energia busca crescimento
17/06/2019

O corretor não é o vilão. O vilão não está na comissão


No dia 10 de junho de 2019, a SUSEP publicou a Circular Nº 587, que trata regras e critérios para comercialização do seguro Fiança Locatícia. Em seu artigo 9º define que “A seguradora e o corretor de seguros, se houver, deverão informar o percentual e o valor da comissão de corretagem aplicados à apólice, sempre que estes forem solicitados pelo garantido ou pelo segurado.”, não satisfeito o regulador insiste no assunto e repete no inciso V do artigo 12º “O segurado ou o garantido poderão solicitar, a qualquer tempo, que a seguradora ou o corretor de seguros, se houver, informe o percentual e o valor da comissão de corretagem aplicada à apólice”, criando uma certa polêmica no mercado.

Recentemente, em 22 de março deste ano, foi empossada na SUSEP, a Sra. Solange Vieira. A economista tem um currículo fantástico e boas intenções para com o nosso mercado. No entanto, em seu discurso de posse ela comparou a penetração (prêmio x PIB) do mercado segurador americano com o brasileiro. Um erro comum que muita gente influente em nosso mercado comete. Uma vez que “compara banana com laranja”, afinal não somam os seguros públicos do INSS, bem como do SAT - seguro de acidentes de trabalho – que naquele país é privado (workers compensation). Mas de fato, temos muito que crescer sim. Nos cabe mostrar a nossa nova superintendente que nem tudo feito nos últimos 20 anos (diversos governos) está errado e precisa de correção, afinal saímos de um volume de prêmios de R$ 7,9 Bilhões em 2000 para R$ 1,3 Trilhões em 2018.
A idéia de obrigar as seguradoras a mostrar na apólice de seguros a comissão do corretor não é nova. É uma idéia que veio à tona entre 2003 e 2007 no governo petista. E desistiram num raro momento em que aquela gestão ouviu o mercado. Surpreende agora o governo Bolsonaro requentar uma idéia petista. Existem duas hipóteses possíveis para entender quais argumentos sustentam essa idéia: reduzir as comissões buscando maior penetração de prêmios ou simplesmente trazer transparência ao consumidor. Vamos então dissecar essas hipóteses.

Sobre penetração poderiam imaginar os reguladores que os corretores, ao ganhar menos comissões, se esforçariam para vender mais e consequentemente aumentaríamos a produção. Pensar assim seria um erro grosseiro. Ocorre que os corretores já trabalham com margens apertadas de comissão, uma vez que operam em um mercado de concorrência perfeita com aproximadamente 50 mil competidores. A comissão de automóvel, por exemplo, chegaria até 25% mas a média efetivada é de 15%. A produção de seguros de automóveis não cresceu tanto e ainda permitiu a atuação de cooperativas e associações por obra exclusiva das próprias seguradoras, que com elevada concentração, apenas 26 seguradoras concorrem onde apenas 8 delas possuem 81% do mercado, recusam (o que lhes é legítimo) muitos clientes em determinadas regiões de maior sinistralidade. Em fiança locatícia o oligopólio é bem maior, temos supostamente 19 companhias competindo, onde na verdade apenas 5 realmente atuam, das quais 1 possui 85% do prêmio arrecadado. Vale lembrar que as seguradoras são organizações privadas e tem legitimamente o direito de absorver ou não os riscos analisados. Em fiança locatícia, por exemplo, a rejeição de tomadores está elevadíssima em função de 40% da população economicamente ativa estar endividada e com anotações no SERASA. Caberia aumentar a competição – que é fomentada pelos corretores – para que este mercado se desenvolva. Isso tudo nada tem a ver com a comissão do corretor, que em fianças ficam na média de 15% embora pudessem atingir 35%.

A concorrência claramente beneficia o consumidor e aumenta a eficiência. Temos no mercado 50 mil corretores atuando, não mais que 30 seguradores considerando um ramo qualquer de seguro, 16 resseguradores e 25 brokers de resseguros. Portanto, acredito que o regulador deveria gastar sua energia nos segmentos com menor competição. Pois a comissão do corretor de seguros não incomoda o cliente final que sempre faz leilão e tem facilidade em encontrar competidores nos corretores, que impede a estes últimos elevar suas margens. Mas esse mesmo consumidor nem sempre consegue encontrar tantas opções de seguradoras competindo e aceitando seus riscos.

Ainda combatendo o argumento de penetração de mercado, é importante ressaltar que na prática os corretores não impedem às seguradoras de venderem diretamente. Vis-à-vis os seguros de VGBL que tem baixo comissionamento, pouca atuação do corretor e elevado volume de prêmios. Mas será que eliminando ou reduzindo a participação do corretor – ao buscar-se reduzir a sua arrecadação - seria solução? Lembro ao órgão regulador que a maioria dos ramos campeões de reclamação dos consumidores não tem a participação (ou ela é tímida) do corretor, por exemplo, o seguro de garantia estendida, seguros de perda ou roubo de cartões de crédito, prestamista vinculado a empréstimos bancários, etc.

Já o outro argumento, até bem mais razoável, estaria na transparência. Mas se a idéia é trazer transparência ao consumidor, deveriam atacar todos os players do mercado. Qual seria a comissão de resseguros cedidos daquela apólice? Afinal muitas seguradoras chegam a viver de comissões de resseguros em diversas carteiras. Qual a comissão do broker nos resseguros facultativos? Ou ainda, como é formado o preço do seguro (sinistralidade, DA, etc.)? Pois é exatamente nessas áreas que temos menor concorrência! Além disso, imaginem uma grande corretora multinacional que pode até apresentar zero de comissão na apólice, embora esteja recebendo – em seu grupo econômico - 35% de comissão de resseguros, fazendo uma concorrência desleal com o corretor local. Eles vão alegar que há uma “chinese wall” e contabilidade separada, mas sabemos que não funciona bem assim na prática.

Um corretor de seguros, como qualquer empresa, busca maximizar o seu faturamento. Pois dele pagam as despesas do escritório, o treinamento, investimento em sistemas e até a sua remuneração. As seguradoras vêm nas últimas décadas transferindo muitas de suas tarefas ao corretor e assim transferindo despesas. O que exigiria um aumento das comissões, no entanto, esta remuneração vem caindo ao longo das décadas. Some-se a isso que de cada 3 ou 5 visitas e tentativas de vendas, o corretor consegue fechar 1. Dessa venda precisará pagar toda a despesa e esforço com as outras vendas perdidas. De alguns clientes fidelizados, após anos de bom atendimento, o corretor consegue ampliar a comissão, enquanto que para conquistar clientes novos precisa trabalhar com comissionamento baixo. A concorrência natural já limita o abuso e protege o consumidor. É um mercado altamente competitivo. Obrigar a mostrar a comissão tende a enfraquecer ainda mais esse segmento já fragilizado. Enquanto o foco da regulação deveria estar nos ambientes de concentração com baixa competição, onde o consumidor não tem proteção. O vilão não está na comissão de seguros! Querem reduzir os custos ao consumidor final? Atuem no resseguro e facilitem ou estimulem a entrada de novas companhias aumentando a concorrência de seguradoras e resseguradoras.

A comissão é um direito do corretor de seguros. O corretor de seguros tem direito à comissão. Lembrem-se as seguradoras que este é um canal de distribuição altamente motivado e barato. Pois só ganha se vender, não tem encargos e nem direitos trabalhistas, não recebe planos de saúde e nem outros benefícios. O corretor paga tudo isso de sua comissão, para si e para seus funcionários. A transparência é bem-vinda, a modernização da SUSEP também é bem-vinda. Mas essas medidas precisam ser pensadas com cuidado para não destruir um mercado estabelecido e que gera muitos empregos. Prejudicar o corretor será um tiro no pé das seguradoras e da SUSEP. Não contribui para o desenvolvimento, para o aumento das vendas, para a redução das reclamações e nem para o consumidor! No final do dia, quem de fato atende o segurado, tira suas dúvidas, mostra as opções, explica o funcionamento e a abrangência das coberturas, e ainda estimula a competição apresentando várias seguradoras é exatamente o corretor.
À SUSEP digo que o corretor não é o vilão do mercado. E o vilão não está na comissão do corretor. Transparência total sim, mas transparência direcionada não!
Prof Gustavo Cunha Mello é economista, MBA em Gestão de Riscos, Mestrado em Engenharia. Professor em diversas universidades, atua há 30 anos no mercado, Sócio da CORRECTA, e consultor da Kuantta Consultoria.

Fonte: SEGS por Prof Gustavo Cunha Mello
logotipo zepol