União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

5 nov TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção
5 nov Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais
5 nov Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo
5 nov Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS
31 out Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria
31 out Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros
31 out Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros
31 out Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador
26 out Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade
26 out ?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?
26 out Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal
26 out Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador
24 out Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?
24 out Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT
24 out Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros
24 out Cuidado! Você pode perder o seu Simples Nacional em 2019!
22 out Troféu JRS 2018
19 out Em 10 anos, Rio Grande do Sul terá mais idosos do que crianças
19 out Governo deve agir para que empresas tornem acessos IoT mais seguros, diz NEC
19 out A Palavra de Ordem é Inovação
19 out Seguradoras que transformam seus negócios e modelos operacionais podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas, afirma estudo da Accenture
16 out Plenário pode votar projeto com novas regras para serviços de seguros
16 out Corretor de seguros não é um intermediário de negócios*
16 out Como escolher uma boa Previdência Privada?
16 out Cada vez mais cedo, brasileiros depositam confiança em previdência privada
11 out Dia da Criança
11 out Dia do Securitário
10 out Planejamento Financeiro e Previdência Privada
10 out Cresce número de consumidores que poupam acima de R$ 50 para os filhos, diz Boa Vista SCPC
10 out Ibovespa cai mais de 2%; investidor repercute declarações de Bolsonaro
10 out Dicas de Planejamento Pessoal
8 out Investidores devem ser conservadores com dinheiro nos próximos 180 dias
8 out Barreira cultural é principal desafio para assinatura eletrônica no Brasil
8 out Seguradoras adotam o uso de tecnologia 'vestível' para criar descontos
8 out Os melhores planos de previdência privada, segundo a Proteste
3 out Seguro de vida empresarial também é vantagem para o executivo
3 out Setor privado prepara projeto de reforma da Previdência para presidente eleito
3 out Congresso destaca oportunidades de negócios e função social dos corretores de vida e previdência privada
3 out CNSeg enviou documento aos presidenciáveis às vésperas das eleições
28 set Seguro de vida em grupo é disseminado, mas pode ser melhor apresentado
28 set Plano VGBL é porta de entrada na previdência
28 set Como negociar ao contratar um plano de previdência?
28 set Assistência digital de Seguradora chega ao Google Assistente e oferece vários serviços exclusivos
24 set Dívida Pública Federal sobe 0,98% em agosto para R$ 3,785 tri, diz Tesouro
24 set Economia de partilha. ?Vamos largar esta ideia de que temos de ser donos de tudo o que usamos? /premium
24 set XP lança robô para recomendar investimentos
24 set Competição em taxas é acirrada nos bancos
17 set União Seguradora comemora 105 anos no Acampamento Farroupilha
17 set Previdência: um dia você vai precisar dela
17 set Mercado segurador cresce apesar da instabilidade política
17 set Primeira turma do Programa Recomeço, desenvolvido pela Seguradora Líder, conclui qualificação
14 set União Seguradora comemora 105 anos.
12 set Seguro DPVAT: de janeiro a julho, Seguradora Líder identificou mais de 6,7 mil pedidos indevidos
12 set Confira os estados onde há vencimento do Seguro DPVAT no mês de setembro
12 set Resseguradores se reúnem em Mônaco; Swiss Re divulga estudo
12 set Projeto de Lei atribui novas responsabilidades à autorreguladora do mercado
10 set 'Pé de meia': confira o melhor investimento para cada fase da vida
10 set Processos Ágeis transformam modelo de negócios no setor de seguros
10 set 5 diferenciais para o corretor de seguros dos dias de hoje
10 set Transformação digital impõe desafios para lideranças do setor de tecnologia das seguradoras
4 set Reforma política coloca o benefício da previdência em pauta
4 set Segundo estudo, apenas 19% dos Brasileiros tem seguro de vida. Especialista dá dicas e ensina corretores de todo Brasil a escalarem seus negócios
4 set Poupança ainda é o investimento preferido do brasileiro
4 set Como o envelhecimento mudou nos últimos 20 anos
4 set Rombo da Previdência é de R$ 35 milhões e o déficit mensal do Paço atinge R$ 20 mi?
29 ago Transformação digital nos seguros: o suco de laranja e a redescoberta do risco
29 ago Mitos e Verdades da Previdência
29 ago Seguro ambiental obrigatório aprovado pela nova lei será um diferencial estratégico para as empresas
29 ago Apenas 18% dos brasileiros pouparam em junho, diz indicador da CNDL
24 ago Confira os investimentos que podem ajudar você a ter uma aposentadoria tranquila
24 ago Por que o brasileiro não pensa em aposentadoria; e como investir para chegar lá
24 ago Projeto permite que corretores de seguros atuem em licitações públicas
24 ago 5 sinais de que o mercado de ICO voltará a crescer
22 ago Que aposentadoria escolher
22 ago Setor cresce 1,7% no primeiro semestre
22 ago Corretores e seguradoras terão novas regras para guarda de documentos
08/10/2018

Investidores devem ser conservadores com dinheiro nos próximos 180 dias


Recomendação de planejadores financeiros e especialistas em finanças é manter as economias em investimentos seguros e que possam ser resgatados a qualquer momento.
São Paulo - A incerteza política que traz risco aos investimentos deve se estender por um prazo maior do que o da disputa eleitoral. O período tende a chegar a 180 dias, que compreendem a transição e os cem primeiros dias do novo governo, quando o mercado financeiro oferece uma trégua para que o eleito comece a trabalhar promessas de campanha.
Nos próximo meses, portanto, a recomendação de planejadores financeiros e especialistas em finanças é manter as economias em investimentos seguros e que possam ser resgatados a qualquer momento.

A volatilidade do mercado financeiro, que pode levar a perdas em investimentos mais arriscados, vem das dificuldades que economistas anteveem ao País caso não sejam aprovadas as reformas que consideram necessárias para o equilíbrio das contas públicas e a retomada do crescimento.

Por isso, a grande ambição do mercado financeiro com esta eleição é encontrar políticos dispostos a continuar reformas iniciadas pelo governo Michel Temer, parte delas interrompida porque o presidente gastou seu capital político para barrar investigações contra ele no Congresso.

Passou a reforma trabalhista, mas a da Previdência travou no Congresso. O mercado conta ainda com as reformas tributária e política.

"Continua urgente a necessidade de se fazer reformas da Previdência, política e fiscal. Tem muita coisa na agenda", diz Cesar Caselani, professor de finanças da Eaesp/FGV (Escola de Administração de Empresas de São Paulo).

O analista-chefe da XP Investimentos, Karel Luketic, diz que inicialmente investidores devem observar como será a formação da equipe econômica, a negociação de apoio no Congresso e os temas que serão pautados.
"Passada a eleição, o primeiro movimento do mercado é dar o benefício da dúvida", afirma Luketic.

DISPARADA
Na semana passada, as principais casas de investimento passaram a atualizar suas estimativas para o mercado após a corrida eleitoral, projetando espaço para a Bolsa brasileira encostar em 95 mil pontos em caso de vitória de Jair Bolsonaro (PSL).

O patamar representaria uma alta de cerca de 20% do atual nível do Ibovespa. Na sexta-feira (5), o principal índice acionário do País terminou a 82.321 pontos, retomando níveis que não eram vistos desde maio.

A alta foi impulsionada pela disparada de ações de empresas estatais, que se beneficiaram de uma visão otimista do mercado financeiro com os sinais de comprometimento do capitão reformado com propostas econômicas de viés liberal.

Luis Stuhlberger, um dos mais respeitados investidores do País por sua gestão do Fundo Verde, elevou as aplicações em Bolsa no mês passado e afirmou, em relatório a clientes, que as altas recentes da Bolsa indicam que o excesso de pessimismo já desapareceu do mercado.

"Daqui por diante desenvolvimentos otimistas nos preços de ativos precisam de uma confluência de cenário externo mais positivo e resolução da eleição de fato, com sinalizações positivas em termos de equipe e execução de uma boa agenda fiscal e de reformas", escreveu Stuhlberger.

Em relatório, a XP recomendou aplicações de curto prazo em ações de empresas que poderiam se beneficiar com a vitória do deputado, entre elas Cemig, Petrobras e Banco do Brasil, apesar de estimar volatilidade para o mercado. Especialistas alertam, porém, que empresas públicas têm suas vulnerabilidades.

"A sucessão em qualquer companhia preocupa investidores. Todo período de transição de gestão é turbulento. Em estatais isso se amplifica, porque há o risco de descontinuidade. A probabilidade de rupturas extremas pode levar estatais para rumos muito diferentes do que os analistas imaginaram em suas contas iniciais", diz Giacomo Diniz, professor de finanças do Ibmec/SP.
Apesar das projeções otimistas para o mercado em geral, especialistas desaconselham que investidores entrem em aplicações arriscadas neste momento.

"Euforia de curto prazo não resolve a vida de ninguém. São precisos vários meses para se falar em tendência de mercado", afirma Caselani, da FGV.
Ele lembra que a expectativa é que a taxa Selic, atualmente na mínima histórica de 6,5% ao ano, volte a subir ainda já em 2018. Por isso, a melhor estratégia é manter investimentos pós-fixados, que seguem a taxa de juros, como o Tesouro Selic.

Assim, o investidor consegue se beneficiar da alta dos juros. Títulos prefixados, por outro lado, além de não capturarem a alta nos juros, sofrem com oscilações de mercado no curto prazo.

Juliana Inhasz, professora de economia do Insper, faz a mesma sugestão. "Não é uma recomendação arrojada porque o ambiente pede cautela. É uma saída muito conservadora para que a gente guarde onde tem mais segurança e liquidez maior", diz.

Manter aplicações em investimentos que possam ser resgatados a qualquer momento facilita também a mudança de posição quando o cenário doméstico estiver mais claro.

Assim o pequeno investidor terá mais condições de buscar opções de investimentos mais arriscadas na hora que for mais apropriada.

"Quem tem dinheiro na poupança fica na poupança. Uma opção é título público pós-fixado e com liquidez para poder se movimentar", diz José Luiz Masini, planejador financeiro pela Planejar (Associação Brasileira de Planejadores Financeiros).

Há ainda a preocupação de analistas com o cenário externo, que não deve sair do radar de investidores mesmo em períodos em que as atenções acabam centradas em temas domésticos.

Enquanto o mercado local se beneficiava de uma euforia pré-eleitoral na reta final, o exterior balançava com uma alta repentina nos juros de longo prazo da dívida americana.
As Treasuries (títulos de dívida dos Estados Unidos) saltaram para acima de 3,20% na sexta, de volta aos níveis de 2011.

A escalada das taxas na semana foi impulsionada por dados econômicos fortes nos EUA. O mercado de trabalho americano vive um momento próximo ao pleno emprego, o que acende o alerta para pressões inflacionárias e um aperto mais intenso na política monetária do país.

A disparada das Treasuries derrubou as Bolsas americanas e fez investidores estrangeiros passarem a prever altas adicionais na taxa de juros pelo Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA), que hoje está no intervalo de 2% a 2,25%.

Alta nos juros americanos tende a reduzir a entrada de investidores estrangeiros, que escolhem a dívida americana, considerada mais segura, em vez de aplicações em países emergentes, vistos como mais arriscados.
"Não só fatores internos vão fazer diferença nesses próximos meses. Quando o mercado financeiro der uma trégua para nosso próximo presidente, os fatores externos vão trazer impacto no mercado doméstico", diz Masini.

"São fatores que não são controláveis. Estamos a reboque da guerra comercial e do aumento dos juros nos Estados Unidos."
logotipo zepol