União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

17 jun Créditos de PIS e COFINS ? Insumos EPIs, Emplacamento e Seguro
17 jun O corretor não é o vilão. O vilão não está na comissão
17 jun Aposentar somente pelo INSS é suficiente? Saiba mais sobre a Previdência Privada
17 jun 65% das pessoas que guardam dinheiro escolhem poupança, diz pesquisa; medo e costume estão entre as justificativas
12 jun Grupo Aspecir em Belo Horizonte
7 jun Presidente do Grupo Aspecir recebe Comenda Metropolitana
7 jun União Seguradora entrega prêmio
5 jun Uso da tecnologia traz benefícios para o mercado de seguros
5 jun Susep alerta Corretor sobre Riscos Excluídos
5 jun Instituições financeiras podem explorar sistemas bancários integrados para oferecer serviços digitais seguros, diz Unisys
5 jun A Importância da Importância do Corretor de Seguros
24 mai No mês da conscientização no trânsito, confira dicas para evitar acidentes
24 mai Entenda como funciona a previdência complementar no Brasil
24 mai Setor tem números positivos até março de 2019 e provisões técnicas avançam 10%
24 mai Susep nomeia diretores
20 mai Combate a fraude no Seguro DPVAT
20 mai Previdência privada: reservas atingem R$ 857 bilhões
20 mai Previdência aberta terá R$ 1 trilhão em patrimônio até o final deste ano
20 mai Empresas com investimentos represados
17 mai Diretor comercial do Grupo MBM assume mandato na FenaPrevi
17 mai Setor de seguros brasileiro vê explosão de startups
17 mai Seguro contra inadimplência tem alta de 25,5% no primeiro trimestre do ano
17 mai Como criar aplicativos 100% seguros?
15 mai ?A empresa onde trabalho tem plano de previdência privada com coparticipação. Vale a pena??
15 mai Maio Amarelo: conheça a campanha nacional de 2019
15 mai China vai abrir ainda mais os setores bancários e de seguros
15 mai Nova norma para insurtechs deve sair em 30 dias, diz Solange Vieira, da Susep
3 mai Insurance, conheça todos os detalhes sobre os seguros
3 mai Seguradora Líder promove encontro com Sindicatos das Seguradoras de todo o Brasil
3 mai Mitos e verdades sobre a previdência privada
3 mai Previc e Susep apresentam propostas para fusão das reguladoras de previdência
26 abr Levy diz que reforma pode favorecer investimentos em infraestrutura
26 abr Reforma aumenta a procura por previdência privada no Vale do Paraíba
26 abr Reforma da Previdência reduz subsídios para ricos, diz secretário
24 abr Cotação Premiada de Páscoa
23 abr Previdência com seguro?
23 abr IR 2019: Seguro obrigatório de carro DPVAT é isento, mas deve ser informado
23 abr Aproveite a segunda-feira para investir e planejar seu futuro
23 abr Ramo de pessoas deve impulsionar crescimento do mercado de seguros em 2019
18 abr Plano de previdência privada é impenhorável, decide TRT-2
18 abr Tem previdência privada? Saiba como declarar valores no Imposto de Renda
18 abr Procura por seguros cresce no primeiro trimestre e demonstra preocupação do brasileiro com a insegurança
18 abr Crescimento do seguro de vida no setor audiovisual
15 abr Executivos explicam segredo para crescimento de 171,19% da União Seguradora
12 abr Volta à Câmara projeto que exige de corretor de seguros habilitação da Susep
12 abr Uma providência para a previdência privada
12 abr Você conhece os benefícios de investir em uma previdência privada?
12 abr O acordão da Previdência
10 abr Relatório Anual 2018 da Seguradora Líder é destaque na mídia
10 abr Seguro de vida: STJ afirma que seguradoras devem provar má-fé de seus clientes para recusar benefício
10 abr Aposentadoria Privada x Aposentadoria Pública: Qual escolher?
10 abr Minoria poupa ou tem investimento para a velhice, aponta Datafolha - Folha de S. Paulo
8 abr Seguradora Líder promove treinamentos e encontros com foco no atendimento aos beneficiários do Seguro DPVAT
8 abr O seguro é mais seguro
8 abr Diretores da Susep são exonerados
8 abr Lei de proteção de dados para o mercado de seguros
5 abr Os benefícios de investir em uma previdência privada
5 abr Mercado cresceu 4,4% no primeiro bimestre
5 abr Indenização do seguro precisa ser declarada no imposto de renda
5 abr Superintendente da Susep diz que mercado é ?gigante?
4 abr União Seguradora prestigia lançamento do Seguro Viagem da Lato Seguros
2 abr População com mais de 60 cresce e movimenta cerca de R$ 1 trilhão
2 abr Valor publica especial sobre Previdência Aberta
2 abr SUSEP divulga novas regras para segmento de seguro
2 abr Você conhece os benefícios de investir em uma previdência privada?
18 mar Pesquisa diz que 56% dos brasileiros vão contar apenas com o INSS
18 mar Como começar a investir em uma renda variável?
18 mar Devo ficar no plano corporativo de previdência após demissão?
18 mar IFRS 17 promove transformação no segmento de seguros
13 mar Seguro de vida é plano de risco que mais cresce em razão da violência
13 mar Previdência privada perdeu 224 mil participantes
13 mar Empresários projetam ano com avanço lento em encontro no Marcas de Quem Decide
13 mar Previdência privada é opção para quem planeja bem o futuro
8 fev As principais tendências e expectativas de crescimento do mercado de seguros para 2019
8 fev Planejamento da aposentadoria: muito além da reforma
8 fev Mercado de seguros tem lucro de R$ 14,7 bilhões
8 fev Proposta da previdência concede aposentadoria básica de até 700 reais para todas as pessoas
6 fev Como garantir seu futuro investindo na previdência privada?
6 fev Com reforma da Previdência como prioridade, governo adia promessas
6 fev Nove a cada dez brasileiros aposentados dependem do INSS pra sobreviver
6 fev Proposta para a Previdência prevê aposentadoria integral para servidor só aos 65 anos
4 fev Mercado livre de energia busca crescimento
4 fev Começa a contagem regressiva para declarar Imposto de Renda
4 fev Reforma da Previdência: por que 4 países da América Latina revisam modelo de capitalização, prometido por Guedes ...
4 fev Mercado reduz expectativa de alta do IPCA para 2019
4 fev Bolsas da Europa fecham sem sinal único, em dia de foco em empresas
1 fev Funpresp: qual a melhor decisão?
1 fev Imposto de Renda 2019: O leão está chegando!
1 fev O custo da herança: seguro de vida auxilia herdeiros a pagarem despesas para ter acesso ao dinheiro
1 fev Corretor de Seguros deve ficar atento em algumas situações para não ser punido
23 jan Seguros podem ser a ?Tábua de Salvação? em questões de saúde
23 jan Susep preparada para novo Brasil
23 jan Conheça algumas razões para contratar um seguro de vida
21 jan Planejamento pra garantir o futuro
21 jan Capitalização
21 jan Você está preparado para a reforma da Previdência?
21 jan 'Aposentadoria como conhecemos hoje vai desaparecer', diz economista
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
18 jan Planejamento financeiro para 2019: por onde começar?
18 jan Evolução Digital x Transformação Digital: Qual é a diferença?
18 jan IR 2019: Reúna agora os papéis e tenha chance de receber restituição antes ...
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
08/10/2018

Investidores devem ser conservadores com dinheiro nos próximos 180 dias


Recomendação de planejadores financeiros e especialistas em finanças é manter as economias em investimentos seguros e que possam ser resgatados a qualquer momento.
São Paulo - A incerteza política que traz risco aos investimentos deve se estender por um prazo maior do que o da disputa eleitoral. O período tende a chegar a 180 dias, que compreendem a transição e os cem primeiros dias do novo governo, quando o mercado financeiro oferece uma trégua para que o eleito comece a trabalhar promessas de campanha.
Nos próximo meses, portanto, a recomendação de planejadores financeiros e especialistas em finanças é manter as economias em investimentos seguros e que possam ser resgatados a qualquer momento.

A volatilidade do mercado financeiro, que pode levar a perdas em investimentos mais arriscados, vem das dificuldades que economistas anteveem ao País caso não sejam aprovadas as reformas que consideram necessárias para o equilíbrio das contas públicas e a retomada do crescimento.

Por isso, a grande ambição do mercado financeiro com esta eleição é encontrar políticos dispostos a continuar reformas iniciadas pelo governo Michel Temer, parte delas interrompida porque o presidente gastou seu capital político para barrar investigações contra ele no Congresso.

Passou a reforma trabalhista, mas a da Previdência travou no Congresso. O mercado conta ainda com as reformas tributária e política.

"Continua urgente a necessidade de se fazer reformas da Previdência, política e fiscal. Tem muita coisa na agenda", diz Cesar Caselani, professor de finanças da Eaesp/FGV (Escola de Administração de Empresas de São Paulo).

O analista-chefe da XP Investimentos, Karel Luketic, diz que inicialmente investidores devem observar como será a formação da equipe econômica, a negociação de apoio no Congresso e os temas que serão pautados.
"Passada a eleição, o primeiro movimento do mercado é dar o benefício da dúvida", afirma Luketic.

DISPARADA
Na semana passada, as principais casas de investimento passaram a atualizar suas estimativas para o mercado após a corrida eleitoral, projetando espaço para a Bolsa brasileira encostar em 95 mil pontos em caso de vitória de Jair Bolsonaro (PSL).

O patamar representaria uma alta de cerca de 20% do atual nível do Ibovespa. Na sexta-feira (5), o principal índice acionário do País terminou a 82.321 pontos, retomando níveis que não eram vistos desde maio.

A alta foi impulsionada pela disparada de ações de empresas estatais, que se beneficiaram de uma visão otimista do mercado financeiro com os sinais de comprometimento do capitão reformado com propostas econômicas de viés liberal.

Luis Stuhlberger, um dos mais respeitados investidores do País por sua gestão do Fundo Verde, elevou as aplicações em Bolsa no mês passado e afirmou, em relatório a clientes, que as altas recentes da Bolsa indicam que o excesso de pessimismo já desapareceu do mercado.

"Daqui por diante desenvolvimentos otimistas nos preços de ativos precisam de uma confluência de cenário externo mais positivo e resolução da eleição de fato, com sinalizações positivas em termos de equipe e execução de uma boa agenda fiscal e de reformas", escreveu Stuhlberger.

Em relatório, a XP recomendou aplicações de curto prazo em ações de empresas que poderiam se beneficiar com a vitória do deputado, entre elas Cemig, Petrobras e Banco do Brasil, apesar de estimar volatilidade para o mercado. Especialistas alertam, porém, que empresas públicas têm suas vulnerabilidades.

"A sucessão em qualquer companhia preocupa investidores. Todo período de transição de gestão é turbulento. Em estatais isso se amplifica, porque há o risco de descontinuidade. A probabilidade de rupturas extremas pode levar estatais para rumos muito diferentes do que os analistas imaginaram em suas contas iniciais", diz Giacomo Diniz, professor de finanças do Ibmec/SP.
Apesar das projeções otimistas para o mercado em geral, especialistas desaconselham que investidores entrem em aplicações arriscadas neste momento.

"Euforia de curto prazo não resolve a vida de ninguém. São precisos vários meses para se falar em tendência de mercado", afirma Caselani, da FGV.
Ele lembra que a expectativa é que a taxa Selic, atualmente na mínima histórica de 6,5% ao ano, volte a subir ainda já em 2018. Por isso, a melhor estratégia é manter investimentos pós-fixados, que seguem a taxa de juros, como o Tesouro Selic.

Assim, o investidor consegue se beneficiar da alta dos juros. Títulos prefixados, por outro lado, além de não capturarem a alta nos juros, sofrem com oscilações de mercado no curto prazo.

Juliana Inhasz, professora de economia do Insper, faz a mesma sugestão. "Não é uma recomendação arrojada porque o ambiente pede cautela. É uma saída muito conservadora para que a gente guarde onde tem mais segurança e liquidez maior", diz.

Manter aplicações em investimentos que possam ser resgatados a qualquer momento facilita também a mudança de posição quando o cenário doméstico estiver mais claro.

Assim o pequeno investidor terá mais condições de buscar opções de investimentos mais arriscadas na hora que for mais apropriada.

"Quem tem dinheiro na poupança fica na poupança. Uma opção é título público pós-fixado e com liquidez para poder se movimentar", diz José Luiz Masini, planejador financeiro pela Planejar (Associação Brasileira de Planejadores Financeiros).

Há ainda a preocupação de analistas com o cenário externo, que não deve sair do radar de investidores mesmo em períodos em que as atenções acabam centradas em temas domésticos.

Enquanto o mercado local se beneficiava de uma euforia pré-eleitoral na reta final, o exterior balançava com uma alta repentina nos juros de longo prazo da dívida americana.
As Treasuries (títulos de dívida dos Estados Unidos) saltaram para acima de 3,20% na sexta, de volta aos níveis de 2011.

A escalada das taxas na semana foi impulsionada por dados econômicos fortes nos EUA. O mercado de trabalho americano vive um momento próximo ao pleno emprego, o que acende o alerta para pressões inflacionárias e um aperto mais intenso na política monetária do país.

A disparada das Treasuries derrubou as Bolsas americanas e fez investidores estrangeiros passarem a prever altas adicionais na taxa de juros pelo Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA), que hoje está no intervalo de 2% a 2,25%.

Alta nos juros americanos tende a reduzir a entrada de investidores estrangeiros, que escolhem a dívida americana, considerada mais segura, em vez de aplicações em países emergentes, vistos como mais arriscados.
"Não só fatores internos vão fazer diferença nesses próximos meses. Quando o mercado financeiro der uma trégua para nosso próximo presidente, os fatores externos vão trazer impacto no mercado doméstico", diz Masini.

"São fatores que não são controláveis. Estamos a reboque da guerra comercial e do aumento dos juros nos Estados Unidos."
logotipo zepol