União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

8 fev As principais tendências e expectativas de crescimento do mercado de seguros para 2019
8 fev Planejamento da aposentadoria: muito além da reforma
8 fev Mercado de seguros tem lucro de R$ 14,7 bilhões
8 fev Proposta da previdência concede aposentadoria básica de até 700 reais para todas as pessoas
6 fev Como garantir seu futuro investindo na previdência privada?
6 fev Com reforma da Previdência como prioridade, governo adia promessas
6 fev Nove a cada dez brasileiros aposentados dependem do INSS pra sobreviver
6 fev Proposta para a Previdência prevê aposentadoria integral para servidor só aos 65 anos
4 fev Mercado livre de energia busca crescimento
4 fev Começa a contagem regressiva para declarar Imposto de Renda
4 fev Reforma da Previdência: por que 4 países da América Latina revisam modelo de capitalização, prometido por Guedes ...
4 fev Mercado reduz expectativa de alta do IPCA para 2019
4 fev Bolsas da Europa fecham sem sinal único, em dia de foco em empresas
1 fev Funpresp: qual a melhor decisão?
1 fev Imposto de Renda 2019: O leão está chegando!
1 fev O custo da herança: seguro de vida auxilia herdeiros a pagarem despesas para ter acesso ao dinheiro
1 fev Corretor de Seguros deve ficar atento em algumas situações para não ser punido
23 jan Seguros podem ser a ?Tábua de Salvação? em questões de saúde
23 jan Susep preparada para novo Brasil
23 jan Conheça algumas razões para contratar um seguro de vida
21 jan Planejamento pra garantir o futuro
21 jan Capitalização
21 jan Você está preparado para a reforma da Previdência?
21 jan 'Aposentadoria como conhecemos hoje vai desaparecer', diz economista
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
18 jan Planejamento financeiro para 2019: por onde começar?
18 jan Evolução Digital x Transformação Digital: Qual é a diferença?
18 jan IR 2019: Reúna agora os papéis e tenha chance de receber restituição antes ...
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
14 jan O abandono da ideia de fundir Susep e Previc
14 jan Ciência, tecnologia e seguros são novidades em 2019
14 jan Calendário de pagamento do Seguro DPVAT já está disponível na internet
14 jan Proposta de previdência híbrida pode ser boa solução
11 jan Recado para o brasileiro repensar a sua aposentadoria
11 jan Fundos Data Alvo: uma alternativa para os desafios da aposentadoria
11 jan Onde cotar seguro viagem com bons preços; dicas práticas
11 jan Brasileiros aderem aos seguros de vida para proteção da renda familiar
9 jan Planejamento para as despesas de início de ano
9 jan Previdência Privada PGBL ou VGBL: qual a melhor opção para você?
9 jan Fusão de Previc e Susep está suspensa, informa O Globo
9 jan A forma simples e eficaz de fidelizar segurados
7 jan Sobe número de brasileiros que conseguem guardar dinheiro
7 jan CNSP regulamenta mercado de anuidades
7 jan Adesão ao Simples Nacional vai até o fim de janeiro
7 jan Mercado de capitalização projeta um crescimento entre 7% e 8% em 2019
4 jan #RetrospectivaDPVAT: Fique por dentro das principais iniciativas de 2018
4 jan Lucro das seguradoras avança para R$ 13,3 bi até novembro de 2018
4 jan Conjuntura CNseg
4 jan O Mercado de Seguros precisa mudar. Se isso acontecer, será incrível!
28 dez Feliz 2019
14 dez União Seguradora fecha o ano com novos negócios
14 dez Uma parceria de sucesso
14 dez Corretor que buscar cobertura para cliente no mercado internacional em desacordo com a legislação está sujeito a penalidade
14 dez CNseg: resiliência e diversificação mantêm crescimento do setor
4 dez Um Futuro seguro precisa de planejamento
4 dez Prazo para placas do Mercosul no RS será 17 de dezembro
4 dez Inovação surge para tirar profissionais da zona de conforto
4 dez Câmara cria comissão para analisar novo seguro obrigatório
5 nov TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção
5 nov Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais
5 nov Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo
5 nov Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS
31 out Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria
31 out Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros
31 out Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros
31 out Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador
26 out Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade
26 out ?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?
26 out Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal
26 out Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador
24 out Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?
24 out Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT
24 out Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros
24 out Cuidado! Você pode perder o seu Simples Nacional em 2019!
22 out Troféu JRS 2018
19 out Em 10 anos, Rio Grande do Sul terá mais idosos do que crianças
19 out Governo deve agir para que empresas tornem acessos IoT mais seguros, diz NEC
19 out A Palavra de Ordem é Inovação
19 out Seguradoras que transformam seus negócios e modelos operacionais podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas, afirma estudo da Accenture
16 out Plenário pode votar projeto com novas regras para serviços de seguros
16 out Corretor de seguros não é um intermediário de negócios*
16 out Como escolher uma boa Previdência Privada?
16 out Cada vez mais cedo, brasileiros depositam confiança em previdência privada
11 out Dia da Criança
11 out Dia do Securitário
10 out Planejamento Financeiro e Previdência Privada
10 out Cresce número de consumidores que poupam acima de R$ 50 para os filhos, diz Boa Vista SCPC
23/07/2018

Em 18 anos, poupança para os filhos pode passar dos R$ 185 mil


CORREIO simulou que aplicações podem ajudar a garantir uma vida financeira mais tranquila

Logo quando o filho Guilherme, hoje com 8 anos, completou o primeiro mês, o dentista Gustavo Santana ligou para o gerente do banco e contratou um plano de previdência privada. Quando Marina, hoje com 6 anos, nasceu, fez a mesma coisa. “Faço por mês um depósito de R$ 300 para cada um. Eu não mexo por nada. É preciso uma disciplina muito grande para poupar para o futuro deles”, afirma o dentista.
Assim como ele, muitos pais e mães cultivam o mesmo sonho, o de ver o filho bem de vida. Ainda que para muitos a folga no orçamento seja quase um milagre, a atitude de começar a poupar de olho no futuro da criança não está tão distante assim. 

Com a ajuda do educador financeiro e colunista da Carteira CORREIO Edísio Freire, simulamos os investimentos que podem ajudar a garantir uma boa reserva lá na frente .
A metodologia levou em consideração três faixas de valores para depósitos mensais durante 18 anos: R$ 50, R$ 100 e R$ 300. Porém, há aplicações, como o Tesouro Direto, por exemplo, onde é possível começar a investir com apenas R$ 30. Com base no cálculo, depósitos mensais no Tesouro Direto Pós Fixado (NTNB IPCA +), com taxa estimada em 0,7800%, somariam no período um investimento total de R$ 84.291,97. Após o desconto do Imposto de Renda, o saldo chega a R$ 185.011,14 - quase R$ 100 mil a mais que o valor depositado. Comparado com o ativo mais tradicional como a poupança, o Tesouro Direto rende R$ 50 mil a mais. 
“Quando se trata de investimento em longo prazo, mesmo que o valor seja pequeno, é importante que se busque produtos com rentabilidade melhor, que rendam 100% acima do CDI (Certificado de Depósito Interbancário)”, destaca Freire. 

OS CINCO PRINCIPAIS INVESTIMENTOS

Poupança, por Edval Landulfo (economista e educador financeiro)

1. Como funciona?   A conta poupança é uma jeito de começar a guardar o seu dinheiro, não importa a quantia inicial a ser depositada. Também vale lembrar  que a taxa será a mesma para todos os bancos, portanto, não faz diferença onde você decide abrir a conta, uma vez que ela renderá da mesma forma. 
2. Qual o perfil de investidor?  Para quem inicia uma reserva e quer uma opção mais tradicional e segura, ainda que não seja o ativo com o melhor rendimento. Para adquirir os títulos, é necessário fazer um cadastro em uma corretora que pode ser do próprio banco onde o investidor tem conta. Indico procurar corretoras que não cobram para fazer a intermediação.  
3. Quais as vantagens?    Não há cobrança de taxas de manutenção da conta poupança. Também tem liquidez imediata: se você precisar poderá retirar sem burocracia.
4. Como otimizar esses rendimentos ao longo de 18 anos? Inicialmente, comece a guardar o dinheiro na poupança. Com um tempo, você terá uma quantia maior e assim poderá migrar essa reserva para outros investimentos seguros e com possibilidades de retorno bem melhores.
5. A  que o investidor precisa ficar atento?  Desde o mês de maio de 2012, a regra para o rendimento da conta poupança é a seguinte: quando a taxa Selic ficar igual ou acima de 8,5% ao ano, a caderneta renderá 6,27% ao ano (0,5% ao mês) mais a Taxa Referencial (TR), que é um tipo de juro variável definido pelo governo. Ficando abaixo de 8,5% ao ano, a caderneta renderá o equivalente a 70% da taxa Selic. 
 
Previdência Privada, por Angelo Guerreiro (administrador e educador financeiro)

1. Qual o perfil de investidor?  Hoje existem produtos para todos os gostos. O mais comum ainda é o fundo de renda fixa.  
2. Como funciona?   Na verdade, a previdência privada é um fundo de investimento como outro qualquer, com algumas regras que diferem de outros fundos. A grande diferença está no ponto fiscal e tributário, justamente para incentivar essa poupança de longo prazo. 
3. Quais as  vantagens? Existem modelos de PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), por exemplo, que se você tem imposto de renda retido na fonte, o que você contribuiu pode ser deduzido da sua base de cálculo. Além disso, as alíquotas que forem incidindo sobre os seus resgates podem ser decrescentes caso sejam no modelo  regressivo de tributação. Ela começa  com 35% e chega a 10% sobre aquele depósito quando completam 10 anos.
4. Como otimizar esses rendimentos ao longo de 18 anos? Busque um produto barato distribuído pelas plataformas, colocando pitadinhas de ações ou fundos multimercados. Aconselho e faço desde que minhas filhas  nasceram.
5. A que o investidor precisa ficar atento?  É preciso saber o preço que a administração disso vai custar. Qual a taxa de administração e a taxa de carregamento deste fundo? Hoje, existem vários fundos com taxas mais baixas e sem taxas de carregamento, só que a grande maioria deles está nas plataformas digitais. Já vi situações nas quais após 20 anos entre o  produto de um banco desses e uma plataforma digital - para onde ele estava migrando - era mais de R$ 1 milhão  de diferença acumulada ao longo de 20 anos. 
 
Tesouro Direto, por Meire Cardeal (educadora financeira)

1. Como funciona?   Com os títulos públicos do Tesouro Direto, pode-se investir com valores a partir de R$ 30. Antes de sua criação, somente as instituições financeiras tinham acesso, pois esses títulos compõem as carteiras de fundos de investimentos que são ofertados pelas instituições financeiras.
2. Qual o perfil de investidor?  Principalmente para investidores mais conservadores ou com perfil moderado, pois os retornos ficam próximos  a 100% do CDI, mas isso precisa ser avaliado caso a caso. Para começar a investir é preciso saber a modalidade de cada título, características quanto ao prazo, a taxa de juros que  pagam e quando pagam para que o investidor possa escolher de acordo com seu perfil. Analise seu planejamento de vida, disponibilidade do recurso e faça também um estudo de mercado e de suas perspectivas.
3. Quais as  vantagens?    Baixo risco,  boa rentabilidade, liquidez diária. É uma excelente opção para longo prazo, basta escolher a modalidade apropriada, como os títulos indexados ao IPCA (índice de inflação oficial do país), por 
exemplo, que pagam uma taxa fixa mais a variação da inflação do período.
4. Como otimizar esses rendimentos ao longo de 18 anos?  Com a escolha correta da modalidade do título, com o reinvestimentos dos juros, além de aportes mensais. 
5. A  que o investidor precisa ficar atento?  Na escolha correta do título de acordo com os seus objetivos e disponibilidade dos recursos.  No caso de um eventual resgate antes do vencimento, a taxa prometida na data do vencimento do título em um resgate antecipado será a taxa de mercado naquele momento. 
CDB, por Antônio carvalho (professor e educador financeiro)
1. Como funciona?   O Certificado de Depósito Bancário (CDB) é uma aplicação de renda fixa de baixo risco, pois é segurada pelo Fundo Garantidor de Crédito (FCC) até o limite de R$ 250 mil por CPF ou CNPJ. A maioria das instituições financeiras estabelece R$ 500 como valor médio mínimo para iniciar.
2. Qual o perfil de investidor?  É uma modalidade escolhida por poupadores e investimentos conservadores, pois o risco é baixo. É uma opção interessante para financiamento de estudos de filhos, aquisição de imóveis, custeio de intercâmbios. 
3. Quais as  vantagens?    Entre elas está o baixo risco. Também pode-se começar com pouco, não há obrigatoriedade de depósito regular mensal e as modalidades de renda variável permitem resgate a qualquer momento sem grandes prejuízos.
4. Como otimizar esses rendimentos ao longo de 18 anos? Para otimizar qualquer aplicação ou investimento é 
necessário ter disciplina e manter a regularidade, ou seja, criar e manter o hábito de fazer depósitos mensais.
5. A que o investidor precisa ficar atento?  Como incide Imposto de Renda (IR) sobre os rendimentos do CDB, o investidor deve escolher sempre a Tabela Regressiva, na qual a alíquota é maior no início (27,5%) e menor no longo prazo (15%). Assim, na época do resgate, a base de cálculo do Imposto de Renda será a menor. Analise  o investimento  e também o cenário econômico. Algumas modalidades que parecem mais vantajosas, no longo prazo, podem ser as piores escolhas. Por isso, busque a instituição financeira que pratique as menores taxas do mercado.

Fundo Multimercado, por Jusivaldo Almeida  (vice-presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros/ Abefin)

1. Como funciona?    O Fundo de investimento Multimercado opera como uma espécie de condomínio que reúne vários investidores, com o objetivo de alcançar ganhos financeiros em vários mercados, tentando atingir rentabilidades em cenários econômicos com tendência (tanto de queda como em alta). Para começar a investir é preciso buscar uma instituição financeira ou corretoras de valores.
2. Qual o perfil de investidor?  É indicado para investidores com um perfil entre moderado e agressivo. O investidor ao entrar nesse tipo de fundo tem que observar que o fundo realiza operações de renda fixa, renda variável e câmbio, tanto no mercado local quanto no internacional.
3. Quais as  vantagens?    Uma ótima vantagem desse ou de qualquer fundo é a possibilitada do investidor acessar ativos e mercados que são mais restritivos quando se pensa em investir sozinho. Aqui o investidor tem a vantagem de dividir todas as taxas de administração do fundo com outros investidores. 
4. Como otimizar esses rendimentos ao longo de 18 anos? Conheça o seu perfil. A melhor forma é aproveitar as mudanças de cenários econômicos. Dessa forma, o investidor pode usufruir da menor taxa de tributação do Imposto de Renda fixada em 15% sobre os rendimentos dos resgates com mais de dois anos de aplicação.
5. A que o investidor precisa ficar atento?  O mais importante para qualquer investidor é comparar a rentabilidade líquida do fundo versus a inflação no mesmo período analisado para, dessa forma, saber qual é o ganho real da aplicação.
logotipo zepol