União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

21 jan Planejamento pra garantir o futuro
21 jan Capitalização
21 jan Você está preparado para a reforma da Previdência?
21 jan 'Aposentadoria como conhecemos hoje vai desaparecer', diz economista
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
18 jan Planejamento financeiro para 2019: por onde começar?
18 jan Evolução Digital x Transformação Digital: Qual é a diferença?
18 jan IR 2019: Reúna agora os papéis e tenha chance de receber restituição antes ...
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
14 jan O abandono da ideia de fundir Susep e Previc
14 jan Ciência, tecnologia e seguros são novidades em 2019
14 jan Calendário de pagamento do Seguro DPVAT já está disponível na internet
14 jan Proposta de previdência híbrida pode ser boa solução
11 jan Recado para o brasileiro repensar a sua aposentadoria
11 jan Fundos Data Alvo: uma alternativa para os desafios da aposentadoria
11 jan Onde cotar seguro viagem com bons preços; dicas práticas
11 jan Brasileiros aderem aos seguros de vida para proteção da renda familiar
9 jan Planejamento para as despesas de início de ano
9 jan Previdência Privada PGBL ou VGBL: qual a melhor opção para você?
9 jan Fusão de Previc e Susep está suspensa, informa O Globo
9 jan A forma simples e eficaz de fidelizar segurados
7 jan Sobe número de brasileiros que conseguem guardar dinheiro
7 jan CNSP regulamenta mercado de anuidades
7 jan Adesão ao Simples Nacional vai até o fim de janeiro
7 jan Mercado de capitalização projeta um crescimento entre 7% e 8% em 2019
4 jan #RetrospectivaDPVAT: Fique por dentro das principais iniciativas de 2018
4 jan Lucro das seguradoras avança para R$ 13,3 bi até novembro de 2018
4 jan Conjuntura CNseg
4 jan O Mercado de Seguros precisa mudar. Se isso acontecer, será incrível!
28 dez Feliz 2019
14 dez União Seguradora fecha o ano com novos negócios
14 dez Uma parceria de sucesso
14 dez Corretor que buscar cobertura para cliente no mercado internacional em desacordo com a legislação está sujeito a penalidade
14 dez CNseg: resiliência e diversificação mantêm crescimento do setor
4 dez Um Futuro seguro precisa de planejamento
4 dez Prazo para placas do Mercosul no RS será 17 de dezembro
4 dez Inovação surge para tirar profissionais da zona de conforto
4 dez Câmara cria comissão para analisar novo seguro obrigatório
5 nov TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção
5 nov Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais
5 nov Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo
5 nov Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS
31 out Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria
31 out Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros
31 out Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros
31 out Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador
26 out Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade
26 out ?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?
26 out Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal
26 out Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador
24 out Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?
24 out Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT
24 out Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros
24 out Cuidado! Você pode perder o seu Simples Nacional em 2019!
22 out Troféu JRS 2018
19 out Em 10 anos, Rio Grande do Sul terá mais idosos do que crianças
19 out Governo deve agir para que empresas tornem acessos IoT mais seguros, diz NEC
19 out A Palavra de Ordem é Inovação
19 out Seguradoras que transformam seus negócios e modelos operacionais podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas, afirma estudo da Accenture
16 out Plenário pode votar projeto com novas regras para serviços de seguros
16 out Corretor de seguros não é um intermediário de negócios*
16 out Como escolher uma boa Previdência Privada?
16 out Cada vez mais cedo, brasileiros depositam confiança em previdência privada
11 out Dia da Criança
11 out Dia do Securitário
10 out Planejamento Financeiro e Previdência Privada
10 out Cresce número de consumidores que poupam acima de R$ 50 para os filhos, diz Boa Vista SCPC
10 out Ibovespa cai mais de 2%; investidor repercute declarações de Bolsonaro
10 out Dicas de Planejamento Pessoal
8 out Investidores devem ser conservadores com dinheiro nos próximos 180 dias
8 out Barreira cultural é principal desafio para assinatura eletrônica no Brasil
8 out Seguradoras adotam o uso de tecnologia 'vestível' para criar descontos
8 out Os melhores planos de previdência privada, segundo a Proteste
3 out Seguro de vida empresarial também é vantagem para o executivo
3 out Setor privado prepara projeto de reforma da Previdência para presidente eleito
3 out Congresso destaca oportunidades de negócios e função social dos corretores de vida e previdência privada
3 out CNSeg enviou documento aos presidenciáveis às vésperas das eleições
28 set Seguro de vida em grupo é disseminado, mas pode ser melhor apresentado
28 set Plano VGBL é porta de entrada na previdência
28 set Como negociar ao contratar um plano de previdência?
28 set Assistência digital de Seguradora chega ao Google Assistente e oferece vários serviços exclusivos
24 set Dívida Pública Federal sobe 0,98% em agosto para R$ 3,785 tri, diz Tesouro
24 set Economia de partilha. ?Vamos largar esta ideia de que temos de ser donos de tudo o que usamos? /premium
19/10/2018

Em 10 anos, Rio Grande do Sul terá mais idosos do que crianças


O leitor, provavelmente, lembra, ainda dos seus tempos de estudante, nas aulas de geografia do Ensino Médio, das pirâmides etárias. Aqueles gráficos, criados para representar a distribuição etária da população ao longo de décadas, mostram um cenário atual e uma projeção futura. No caso do Brasil, a base da pirâmide costumava ser larga, e o topo, estreito. Ou seja, até pouco tempo atrás, o número de indivíduos jovens superava, em muito, o de idosos. As projeções para o decorrer do século XXI, muitas vezes associadas aos países mais ricos, por outro lado, indicavam uma tendência de envelhecimento da população, com o topo alargando, e a base ficando cada vez mais estreita. Aquilo que era projeção, agora, é realidade. Não apenas em nações com um estado de bem-estar social mais avançado, mas também no Brasil. Vivemos, nas primeiras décadas deste século, um momento crucial de transição entre as duas pirâmides etárias. Caminhamos, portanto, a passos largos, para um cenário de envelhecimento da população. Hoje, a faixa etária acima de 65 anos é composta por 19,2 milhões de pessoas, pouco mais de 9% do total de brasileiros. Em 2060, segundo dados da Projeção de População, pesquisa que estima os padrões de crescimento da população, revisada em 2018 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), um quarto (25,5%) dos brasileiros terá mais de 65 anos. Até pode parecer um horizonte distante se pensarmos apenas em 2060. Mas basta olhar para o cenário gaúcho para ver o imediatismo da situação. O Rio Grande do Sul vai ser o primeiro estado brasileiro a ter mais idosos do que crianças em sua população. E a reversão vai acontecer logo: daqui a pouco mais de 10 anos, em 2029. Isso porque os gaúchos já atingiram - e devem manter, nos próximos 40 anos - um patamar baixo de nascimentos, na casa de 1,68 filhos por mulher. Enquanto isso, em paralelo, a expectativa de vida não para de crescer. Hoje, é de 79,29 anos entre os gaúchos. Em 2060, será de 83,91. Consequentemente, aumenta a proporção de idosos em relação aos jovens. Embora a principal discussão em torno da transição demográfica seja pautada pela necessidade de uma reforma na Previdência Social, o contexto de envelhecimento traz à tona uma série de questionamentos ao Brasil: por que estamos vivendo mais? Como estamos tratando a população mais velha? Quais são as necessidades sociais e médicas dessa faixa da população? E quais os segredos de quem passou dos 90 anos? "A medicina e a sociedade precisam se adaptar a essa nova realidade", ressalta o professor titular da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) Gilberto Schwartsmann.
 
Controle de doenças cardiovasculares, dieta e exercício físico favorecem vida longa São várias as explicações, por exemplo, para a diminuição da fecundidade: o avanço dos métodos contraceptivos, o planejamento familiar, a entrada das mulheres no mercado de trabalho e o processo de urbanização. Mas o questionamento mais intrigante, quando pensamos no envelhecimento proporcional da população, não é por que estamos tendo menos filhos, mas, sem dúvida, por que estamos vivendo mais? A lista de motivos é extensa. É consenso que ações tomadas no século XX têm resultado prático até hoje. Por exemplo, melhorias estruturais em saneamento e higiene, além de políticas públicas de vacinação em larga escala, foram fundamentais para vivermos cada vez mais. Além disso, nas últimas décadas, alguns avanços da medicina também impactaram positivamente. Nesse sentido, o professor titular da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) Gilberto Schwartsmann e o médico cardiologista Fernando Lucchese destacam a contribuição da redução da mortalidade por causas cardiovasculares no aumento da expectativa de vida. "As pessoas estão medindo mais a pressão arterial, o que aumenta o controle sobre problemas cardiovasculares. Também estão com mais informações sobre dieta, principalmente sobre os perigos do excesso de sal, criou-se uma cultura do exercício físico e do controle da obesidade, e há mais diagnóstico sobre a diabete", pontua Schwartsmann. "A compreensão dos fatores de risco da doença cardíaca aumentou a sobrevida dos corações. Os corações duram mais porque sabemos, por exemplo, a importância do exercício físico e do controle e correção do colesterol", completa Lucchese. Portanto, a prática de exercícios físicos, associada a uma atenção especial à dieta, é princípio básico caso o indivíduo queira ter uma vida longa. Outro fator decisivo - e no qual o Brasil se saiu bem nas últimas décadas - é o combate ao cigarro, responsável por doenças como câncer e enfisema pulmonar. A criação de leis proibitivas e de campanhas educacionais surtiu efeito. O Brasil experimentou uma redução drástica no número de fumantes: segundo o Ministério da Saúde, a incidência do hábito de fumar caiu 36% nos últimos 15 anos. Em 2016, quando a pesquisa foi publicada, apenas 10,2% dos adultos brasileiros fumavam.
 
Jornal do Comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/especiais/medicina_e_saude/2018/10/651920-em-10-anos-rio-grande-do-sul-tera-mais-idosos-do-que-criancas.html)
logotipo zepol