União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

8 fev As principais tendências e expectativas de crescimento do mercado de seguros para 2019
8 fev Planejamento da aposentadoria: muito além da reforma
8 fev Mercado de seguros tem lucro de R$ 14,7 bilhões
8 fev Proposta da previdência concede aposentadoria básica de até 700 reais para todas as pessoas
6 fev Como garantir seu futuro investindo na previdência privada?
6 fev Com reforma da Previdência como prioridade, governo adia promessas
6 fev Nove a cada dez brasileiros aposentados dependem do INSS pra sobreviver
6 fev Proposta para a Previdência prevê aposentadoria integral para servidor só aos 65 anos
4 fev Mercado livre de energia busca crescimento
4 fev Começa a contagem regressiva para declarar Imposto de Renda
4 fev Reforma da Previdência: por que 4 países da América Latina revisam modelo de capitalização, prometido por Guedes ...
4 fev Mercado reduz expectativa de alta do IPCA para 2019
4 fev Bolsas da Europa fecham sem sinal único, em dia de foco em empresas
1 fev Funpresp: qual a melhor decisão?
1 fev Imposto de Renda 2019: O leão está chegando!
1 fev O custo da herança: seguro de vida auxilia herdeiros a pagarem despesas para ter acesso ao dinheiro
1 fev Corretor de Seguros deve ficar atento em algumas situações para não ser punido
23 jan Seguros podem ser a ?Tábua de Salvação? em questões de saúde
23 jan Susep preparada para novo Brasil
23 jan Conheça algumas razões para contratar um seguro de vida
21 jan Planejamento pra garantir o futuro
21 jan Capitalização
21 jan Você está preparado para a reforma da Previdência?
21 jan 'Aposentadoria como conhecemos hoje vai desaparecer', diz economista
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
18 jan Planejamento financeiro para 2019: por onde começar?
18 jan Evolução Digital x Transformação Digital: Qual é a diferença?
18 jan IR 2019: Reúna agora os papéis e tenha chance de receber restituição antes ...
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
14 jan O abandono da ideia de fundir Susep e Previc
14 jan Ciência, tecnologia e seguros são novidades em 2019
14 jan Calendário de pagamento do Seguro DPVAT já está disponível na internet
14 jan Proposta de previdência híbrida pode ser boa solução
11 jan Recado para o brasileiro repensar a sua aposentadoria
11 jan Fundos Data Alvo: uma alternativa para os desafios da aposentadoria
11 jan Onde cotar seguro viagem com bons preços; dicas práticas
11 jan Brasileiros aderem aos seguros de vida para proteção da renda familiar
9 jan Planejamento para as despesas de início de ano
9 jan Previdência Privada PGBL ou VGBL: qual a melhor opção para você?
9 jan Fusão de Previc e Susep está suspensa, informa O Globo
9 jan A forma simples e eficaz de fidelizar segurados
7 jan Sobe número de brasileiros que conseguem guardar dinheiro
7 jan CNSP regulamenta mercado de anuidades
7 jan Adesão ao Simples Nacional vai até o fim de janeiro
7 jan Mercado de capitalização projeta um crescimento entre 7% e 8% em 2019
4 jan #RetrospectivaDPVAT: Fique por dentro das principais iniciativas de 2018
4 jan Lucro das seguradoras avança para R$ 13,3 bi até novembro de 2018
4 jan Conjuntura CNseg
4 jan O Mercado de Seguros precisa mudar. Se isso acontecer, será incrível!
28 dez Feliz 2019
14 dez União Seguradora fecha o ano com novos negócios
14 dez Uma parceria de sucesso
14 dez Corretor que buscar cobertura para cliente no mercado internacional em desacordo com a legislação está sujeito a penalidade
14 dez CNseg: resiliência e diversificação mantêm crescimento do setor
4 dez Um Futuro seguro precisa de planejamento
4 dez Prazo para placas do Mercosul no RS será 17 de dezembro
4 dez Inovação surge para tirar profissionais da zona de conforto
4 dez Câmara cria comissão para analisar novo seguro obrigatório
5 nov TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção
5 nov Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais
5 nov Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo
5 nov Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS
31 out Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria
31 out Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros
31 out Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros
31 out Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador
26 out Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade
26 out ?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?
26 out Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal
26 out Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador
24 out Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?
24 out Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT
24 out Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros
24 out Cuidado! Você pode perder o seu Simples Nacional em 2019!
22 out Troféu JRS 2018
19 out Em 10 anos, Rio Grande do Sul terá mais idosos do que crianças
19 out Governo deve agir para que empresas tornem acessos IoT mais seguros, diz NEC
19 out A Palavra de Ordem é Inovação
19 out Seguradoras que transformam seus negócios e modelos operacionais podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas, afirma estudo da Accenture
16 out Plenário pode votar projeto com novas regras para serviços de seguros
16 out Corretor de seguros não é um intermediário de negócios*
16 out Como escolher uma boa Previdência Privada?
16 out Cada vez mais cedo, brasileiros depositam confiança em previdência privada
11 out Dia da Criança
11 out Dia do Securitário
10 out Planejamento Financeiro e Previdência Privada
10 out Cresce número de consumidores que poupam acima de R$ 50 para os filhos, diz Boa Vista SCPC
20/08/2018

De cada R$ 3 previstos no orçamento da União, R$ 1 será para rolar a dívida


Pagamento de juros e renovação de títulos em vencimento retiram dinheiro da economia real e limitam a capacidade do governo de investir em áreas sociais, como saúde, educação e segurança
Em 2019, de cada R$ 3 previstos no orçamento total da União, R$ 1 será destinado para rolar o serviço da dívida pública. Se excluída a despesa da Previdência, vale dizer que a cada R$ 10 do orçamento fiscal, entre R$ 4 a R$ 5 serão usados para honrar os credores.

Com base na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019, sancionada na semana passada pelo presidente Michel Temer, a expectativa é de que o orçamento do refinanciamento da dívida pública federal alcance um montante de R$ 1,1 trilhão.

Ao passo que o orçamento da Previdência Social, provavelmente, ficará em torno de R$ 1 trilhão; e o orçamento fiscal (excluído o serviço da dívida) em R$ 1,4 trilhão.
“Cada real que o governo paga para o serviço da dívida, ele perde em capacidade de investimento na economia. Todo esse dinheiro que vai para os juros, ele deixa de cuidar do que é importante para o futuro do País”, respondeu o professor da Faculdade Fipecafi, Silvio Paixão.

Dito de outra forma, quanto mais o governo gasta com o serviço da dívida, falta recursos para investimentos em saúde, educação, infraestrutura (exemplo, saneamento básico) e outras demandas da população brasileira.

O professor considera que a renovação dos títulos em vencimento (rolagem da dívida) também “enxuga” (recolhe) os recursos que poderiam ir para a economia real.
“Os principais credores da dívida são fundos de pensão (previdência privada), fundos de investimentos e a tesouraria de bancos. Esse dinheiro não volta para a economia real, porque preferem a segurança, a liquidez e a rentabilidade do Tesouro”, explica Paixão.

Entre a dívida mobiliária doméstica que estava no mercado em junho, R$ 900 bilhões eram detidos por planos de previdência privada (25%); R$ 957,1 bilhões por fundos de investimentos (26,5%), R$ 814,7 bilhões por instituições financeiras (22,5%); R$ 430,5 bilhões por estrangeiros (11,9%), e R$ 140 bilhões por seguradoras (3,9%). “Os bancos rolam títulos diariamente no mercado”, completou o especialista.
Na avaliação do professor do Ibmec, Walter Franco, o Tesouro Nacional não terá problemas para rolar sua dívida com seus credores no próximo ano, mas o indicativo é de que a dívida bruta do governo geral crescerá para 77% do Produto Interno Bruto (PIB) preocupa.

“O próximo governo terá que planejar um programa de privatizações para abater o principal da dívida e conseguir melhorar seus indicadores”, alertou o professor.
Ele lembrou que a dívida bruta do governo geral (DBGG) superará R$ 5,7 trilhões, para um PIB esperado de R$ 7,5 trilhões, segundo a LDO 2019. “É uma dívida bem significativa e com um déficit primário previsto de 132 bilhões, ou 1,75% do PIB”, comentou Franco.

Segundo o texto da LDO sancionada, a dívida bruta pode ficar em 77,7% do PIB, e num cenário de estresse (crise) ir para 79,6% do PIB em 2019. Já a dívida líquida do setor público é estimada em 58,9% do PIB, e num cenário de crise pode atingir 60,2% do PIB.

Comparação e realidade

Para efeito de comparação dos números da LDO 2019, vale lembrar que o orçamento anual de 2017, elaborado antes dos efeitos da emenda constitucional do teto dos gastos registrava um orçamento fiscal de R$ 1,52 trilhão; gastos previdenciários de R$ 948,4 bilhões; e uma refinanciamento da dívida de R$ 946,4 bilhões.

Isto é, em um período de menos de dois anos, as despesas com a previdência social e o serviço da dívida aumentaram, enquanto o montante do orçamento fiscal recuou.
“A questão da previdência é importante. Mas o gasto financeiro também precisa cair. O que se gasta em termos de juros é altíssimo. Cerca de 50% do orçamento fica com a rolagem da dívida. Se não equacionarmos isso, não vamos ter dinheiro para mais nada. Quero deixar claro que não passa por nossa ideia qualquer forma de calote, mas esse tema precisa ser discutido”, disse o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV), Nelson Marconi.

O último boletim da dívida divulgado pelo Tesouro mostra que entre julho de 2018 e junho de 2019 há R$ 760 bilhões em títulos públicos em vencimento, cerca de 20% do total do endividamento.
Se considerado a previsão de um estoque de dívida em mercado da ordem de R$ 4 trilhões no início de 2019, e juros básicos (Selic), por exemplo, entre 6,5% e 8%, o pagamento de juros representará um montante aproximado de R$ 290 bilhões. “Títulos prefixados mais antigos e de inflação mais longos pagam juros maiores que a Selic”, observou Franco. De fato, nos últimos 12 meses até junho, o custo médio da dívida pública ficou em 10,31%, ante 7,36% da Selic média.

Fonte: DCI
logotipo zepol