União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

10 abr Balanço 2018 do Segurador Brasil
10 abr Quanto custa um seguro de vida?
10 abr IPCA fica em 0,09% em março e atinge menor resultado para o mês desde 1994, revela IBGE
9 abr Regulação de insurtechs pode demorar 3 anos
9 abr Abertura é a saída para o País
9 abr Mercado vê inflação menor e reduz previsão para alta do PIB em 2018
9 abr Taxas futuras de juros oscilam perto da estabilidade, após subirem com dólar
6 abr Planejamento para a aposentadoria ? uma necessidade para o trabalhador
6 abr Evento debate tecnologia no mercado de seguros
6 abr Demanda por bens industriais recuou 1,6% em fevereiro ante janeiro, diz Ipea
6 abr Bovespa cai com exterior pesado e cautela política no Brasil
6 abr PetroRio anunciou investimento de cerca de US$ 50 milhões no Campo de Polvo
5 abr Mercado de seguros propõe ajustes à nova Lei de Licitações
5 abr China impõe tarifas sobre 106 produtos americanos no valor de US$ 50 bi
5 abr Brasil é um dos vencedores com retaliação da China em guerra comercial
5 abr Representantes do mercado de seguros propõem ajustes na nova Lei de Licitações
3 abr Setor de seguros mantém otimismo e índice de confiança cresce em março
3 abr Ouro sobe com busca por ativos considerados seguros em meio a aversão ao risco
3 abr Em meio à crise, bancos são campeões de lucro: R$ 63 bi em 2017
3 abr Avanços na economia ficarão mais claros com o tempo, diz Meirelles
2 abr Mercado prevê inflação menor e juros mais baixos em 2018
2 abr Duas surpresas e uma frustração na economia
2 abr Mercado vê inflação mais baixa e crescimento menor do PIB em 2018
2 abr Mercado de US$ 421 bilhões pede atenção das empresas: tecnologia precisa estar na estratégia
29 mar Mulheres crescem em mercados majoritariamente masculinos
29 mar Índice de Intenção de Financiamento cresceu no trimestre
29 mar Conheça mais sobre o novo conceito de aposentado do INSS em 2018
29 mar Proporção de aplicadores que declararam investir em ações atingiu o maior valor desde junho de 2012
27 mar Presidente da CNseg explica o que são as reservas técnicas do setor segurador
27 mar Dívida pública sobe 1,53% em fevereiro e chega a R$ 3,58 trilhões
27 mar Planejador ou educador financeiro: qual contratar?
27 mar Seguro de Vida é tema de discussão em evento no CVG-SP
26 mar Como declarar INSS e previdência privada no Imposto de Renda 2018
26 mar Liminar suspende novas regras sobre local de incidência do ISS
26 mar Você está preparado? Veja o impacto da transformação digital no mercado de trabalho
23 mar União Seguradora dá prêmio de capitalização
28 fev Recadastramento das corretoras de seguros Pessoa Jurídica tem início nesta quinta, 1º de março; SINCOR-GO oferece apoio gratuito a corretoras associadas
28 fev Seguro customizado é tendência no mercado brasileiro
28 fev Seguradora Líder fala sobre modelo de centralização
1 fev Seguradoras sobem 3% e renovam máxima histórica; siderúrgicas estendem rali e Petrobras avança com petróleo
1 fev Seguradoras despontam como o setor mais propenso a mudar o relacionamento com os fornecedores neste ano
1 fev Presidente da Aconseg-RJ vê 2018 com confiança
1 fev Congresso de Corretores de Seguros do Sul do Brasil - BRASESUL/2018
22 dez Gaspar Luiz Machado, 60 anos dedicados ao Mercado Segurador
30 nov Grupo Aspecir apoia o Festival Hípico Noturno
10 nov Urbim, uma vida dedicada ao Mercado Segurador
30 out Eventos marcam os 500 anos da Reforma Luterana em Porto Alegre e Santa Rosa
30 out Troféu JRS - 15 anos
19 out Dia Mundial de Combate ao Câncer de Mama
2 out Destaques do Mercado de Seguros de Vida e Previdência
22 set Susep vai regulamentar seguro funeral
22 set Especialista em educação financeira dá dicas para quem deseja se aposentar
21 set Setor de seguros supera R$ 1 tri e pode trazer novo ciclo, afirma presidente da CNseg
19 set José Cairoli, governador do RS em exercício, prestigia ação do Grupo Aspecir, no Acampamento Farroupilha
11 set Produção de seguros sobe 0,6% até junho em termos homólogos - ASF
4 set Troca de previdência privada ganha força com reforma na aposentadoria
29 ago O mercado está pronto para absorver seguros?
29 ago Sincor-SP ressalta importância dos seguros de vida e previdência para população e o mercado
29 ago Pansera: Corretor, chegou a hora do recadastramento
29 ago Brasília: um mercado de oportunidades para o ramo de seguros
20 jul Planos de previdência são opção para futuro estável
19 jul Aspecir completa 80 anos de história
18 jul Aspecir 80 anos
9 jan União Seguradora e parcerias
6 set Índice de Confiança do Setor de Seguros tem alta de 62,2% no ano
6 set Entenda o que são fundos de pensão
6 set Mercado de seguros de Pessoas movimenta R$ 15 bilhões no 1° semestre
6 set Cresce a procura por planos de previdência privada no Brasil
15 jul ASPECIR comemora 79 anos
13 jul Indenizações pagas por seguros crescem 12%
13 jul Aplicações em previdência privada aberta cresceram 12,64% em maio
13 jul Aprovada MP que libera uso do 'FGTS' na garantia de empréstimo consignado
11 jul COMO FUNCIONA O MICROCRÉDITO
8 jul Mercado de seguros de pessoas movimenta R$ 2,65 bilhões em maio
25 mai Seguro de pessoas cresce 2,44% no 1º tri e totaliza R$ 7,13 bi, diz FenaPrevi
25 mai Captação da previdência privada atinge R$ 21,5 bi no 1º tri, diz FenaPrevi
26/03/2018

Como declarar INSS e previdência privada no Imposto de Renda 2018


Você é obrigado a declarar se contribuiu com previdência, recebeu rendimentos ou resgatou seu plano em 2017

Fonte: Exame por Júlia Lewgoy
São Paulo – Se você contribuiu com a previdência pública ou privada, recebeu rendimentos ou resgatou seu plano em 2017, precisa informar isso à Receita na declaração do Imposto de Renda 2018. As contribuições para o INSS ou para planos de previdência privada podem ser abatidas do imposto.
A seguir, confira como declarar previdência no programa do IR 2018 conforme o tipo de movimentação que você fez em 2017, como orienta o advogado tributarista Leonardo Milanez Villela, sócio da Correia da Silva Advogados.  

Contribuição para o INSS

Se você recebeu seus rendimentos tributáveis de pessoa jurídica em 2017, deve preencher as contribuições para o INSS no campo “Contribuição Previdenciária Oficial”, dentro da ficha “Rendimentos Tributáveis Recebidos de PJ”. Você pode encontrar as informações sobre as contribuições para o INSS no informe de rendimentos da empresa.
Se você recebeu seus rendimentos tributáveis de pessoa física e em 2017 e fez o recolhimento do IR via carnê-leão, deve preencher o campo “Previdência Oficial”, na aba “Outras Informações”, dentro da ficha “Rendimentos Tributáveis Recebidos de PF/Exterior”.
Você pode encontrar as informações sobre as contribuições para o INSS no informe de rendimentos da empresa, se recebeu rendimentos de PJ, ou no demonstrativo de Imposto de Renda disponível no site do INSS.
No caso das contribuições feitas ao INSS, é possível deduzir o total do valor pago, desde que o contribuinte tenha recebido em 2017 rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70. Além das suas próprias contribuições, também é possível abater contribuições ao INSS pagas por um dependente que tenha rendimentos tributáveis próprios.
Por exemplo, se a mulher declarar o marido como dependente e ele tiver rendimentos próprios e pagar INSS, ela pode abater também as contribuições feitas por ele. Mas essa regra de dedução só vale se o dependente tiver rendimentos próprios. Veja os limites de deduções e as regras para declarar dependentes no IR 2018.

Recebimento do INSS

A aposentadoria recebida do INSS não é isenta de Imposto de Renda e, assim como outros rendimentos tributáveis, deve ser declarada na ficha “Rendimentos Tributáveis Recebidos de PJ”.
Só ficam isentos do IR os rendimentos anuais de aposentadoria até o teto de 22.847,76 reais. Acima disso, a aposentadoria do INSS é tributada.
Mas, mesmo que seus ganhos de aposentadoria tenham ficado isentos de IR em 2017,  eles serão somados às outras eventuais rendas tributáveis na hora de preencher a declaração de ajuste anual e podem, inclusive, elevar a alíquota do imposto.
É o que acontece, por exemplo, com aposentados que continuam trabalhando ou que recebem rendimentos de aluguéis de imóveis. Quem tem mais de 65 anos e recebe aposentadoria do INSS, porém, tem direito a abater uma parcela isenta de até 1.903,98 por mês, a partir do mês em que completa 65 anos de idade, o que reduz a base de cálculo do IR.
Esse valor deve ser informado na ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, na linha 10 – “Parcela isenta de proventos de aposentadoria, reserva remunerada reforma e pensão de declarante com 65 anos ou mais”.
Alguns rendimentos pagos pelo INSS são totalmente isentos de IR, como aposentadorias e pensões por doença grave ou acidente de serviço. Eles devem ser declarados na linha 11 – “Pensão, proventos de aposentadoria ou reforma por moléstia grave ou aposentadoria ou reforma por acidente em serviço”.

Contribuição para PGBL ou fundo de pensão de empresa

Quem contribuiu para um plano de previdência privada do tipo Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) ou para um fundo de pensão da empresa, deve informar os aportes na ficha Pagamentos Efetuados, com o código 36 – “Previdência Complementar”.
O saldo do plano de previdência não precisa ser informado na Declaração de Imposto de Renda.
No caso das contribuições feitas à previdência privada, se o plano for um PGBL ou um fundo de pensão oferecido pela empresa, é possível deduzir as contribuições da base de cálculo do seu IR até 12% da renda tributável.Assim, se a renda tributável de um contribuinte tiver sido de 100 mil reais em 2017, ele poderá deduzir desse valor até 12 mil reais que tenham sido aplicados em um plano de previdência privada do tipo PGBL no ano passado, por exemplo.
O benefício só pode ser aproveitado por quem entrega a declaração completa do Imposto de Renda, uma vez que quem entrega a declaração simplificada só tem acesso ao desconto único de 20%.
É importante lembrar que esse benefício não é uma isenção de IR, mas um adiamento do pagamento. Quando, lá na frente, o contribuinte for resgatar sua previdência, a tributação incidirá sobre todo o montante investido, não só sobre a rentabilidade.
Quem paga um plano de previdência privada tipo PGBL para filhos, cônjuge ou companheiro pode deduzir também essas contribuições, se o beneficiário for também seu dependente.
Contudo, as contribuições feitas ao PGBL desse dependente se somam às contribuições que o titular faz para o próprio PGBL ou fundo de pensão e não podem ser abatidas em mais de 12% da renda tributável do contribuinte.
Essa dedução para os dependentes só é possível se o beneficiário também contribuir para o INSS. A exceção fica por conta dos filhos menores de 16 anos e para os maiores de 65 anos.
Assim, um pai que pague um PGBL para um filho recém-nascido poderá somar as contribuições para o plano às suas contribuições para previdência privada na hora de abater, por exemplo.

Recebimento de PGBL ou fundo de pensão de empresa

Ao receber os rendimentos do plano de previdência privada, o contribuinte pode estar sujeito a dois tipos diferentes de tributação.
Se optou pela tabela regressiva ao contratar o plano – cujas alíquotas vão de 35% a 10% e caem cinco pontos percentuais a cada dois anos –, os recebimentos em 2017 devem ser declarados na ficha de Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva, linha 06 – “Rendimentos de aplicações financeiras”.
Se escolheu a tabela progressiva ao contratar o plano, as alíquotas variam de 0% a 27,50%, de acordo com os valores. Nesse caso, os recebimentos devem ser lançados em Rendimentos Tributáveis Recebidos de PJ, com o nome e o CNPJ da empresa pagadora.
Quem tiver dúvidas sobre o modelo escolhido pode consultá-lo no comprovante de rendimentos enviado pela instituição financeira responsável pelo plano.

Contribuição para VGBL

Os planos de previdência privada do tipo “Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) devem ser declarados como bens, na ficha Bens e Direitos, com o código 97 – “VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre”. No campo “Situação em 31/12/2016” deve ser informado o total investido no plano até esSa data e em “Situação em 31/12/20167”, o total existente no plano nesta data.
No campo “Discriminação” é preciso informar dados como a entidade que administra os recursos e seu CNPJ.
Os planos do tipo VGBL não permitem abater as contribuições, por isso, são mais indicados para quem entrega a declaração simplificada do IR. Em compensação, na época de fazer os resgates, a tributação incide apenas sobre os rendimentos.

Recebimento de VGBL

Quem resgatou seus recursos de planos VGBL deve seguir as mesmas regras de planos PGBL. Ou seja, se tiver optado pela tabela regressiva, deve informar os recursos na ficha Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva, linha 06 – “Rendimentos de aplicações financeiras”.
Se optou pela tabela progressiva, as informações entram em Rendimentos Tributáveis Recebidos de PJ, com a identificação da empresa pagadora.

Resgate de plano de previdência privada

Para declarar o resgate, você precisa saber se o modelo de tributação do seu plano é pela tabela regressiva ou pela progressiva.
Se for tributação regressiva, informe a quantia resgatada líquida, já descontando Imposto de Renda, na ficha “Rendimentos sujeitos à tributação Exclusiva/Definitiva”, na linha “12 – Outros”. Você terá que incluir o nome e o CNPJ da instituição pagadora.
Se for tributação progressiva, informe o rendimento bruto e o imposto retido na fonte. Nesse caso, preencha na ficha “Rendimentos Tributáveis Recebidos de PJ pelo Titular”.
A seguir, confira como declarar previdência no programa do IR 2018 conforme o tipo de movimentação que você fez em 2017, como orienta o advogado tributarista Leonardo Milanez Villela, sócio da Correia da Silva Advogados.
logotipo zepol