União Seguradora - 55+ (51) 3061-9606

notícias

21 jan Planejamento pra garantir o futuro
21 jan Capitalização
21 jan Você está preparado para a reforma da Previdência?
21 jan 'Aposentadoria como conhecemos hoje vai desaparecer', diz economista
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
18 jan Planejamento financeiro para 2019: por onde começar?
18 jan Evolução Digital x Transformação Digital: Qual é a diferença?
18 jan IR 2019: Reúna agora os papéis e tenha chance de receber restituição antes ...
18 jan Menores de idade podem ter seguro de vida? Especialista explica
14 jan O abandono da ideia de fundir Susep e Previc
14 jan Ciência, tecnologia e seguros são novidades em 2019
14 jan Calendário de pagamento do Seguro DPVAT já está disponível na internet
14 jan Proposta de previdência híbrida pode ser boa solução
11 jan Recado para o brasileiro repensar a sua aposentadoria
11 jan Fundos Data Alvo: uma alternativa para os desafios da aposentadoria
11 jan Onde cotar seguro viagem com bons preços; dicas práticas
11 jan Brasileiros aderem aos seguros de vida para proteção da renda familiar
9 jan Planejamento para as despesas de início de ano
9 jan Previdência Privada PGBL ou VGBL: qual a melhor opção para você?
9 jan Fusão de Previc e Susep está suspensa, informa O Globo
9 jan A forma simples e eficaz de fidelizar segurados
7 jan Sobe número de brasileiros que conseguem guardar dinheiro
7 jan CNSP regulamenta mercado de anuidades
7 jan Adesão ao Simples Nacional vai até o fim de janeiro
7 jan Mercado de capitalização projeta um crescimento entre 7% e 8% em 2019
4 jan #RetrospectivaDPVAT: Fique por dentro das principais iniciativas de 2018
4 jan Lucro das seguradoras avança para R$ 13,3 bi até novembro de 2018
4 jan Conjuntura CNseg
4 jan O Mercado de Seguros precisa mudar. Se isso acontecer, será incrível!
28 dez Feliz 2019
14 dez União Seguradora fecha o ano com novos negócios
14 dez Uma parceria de sucesso
14 dez Corretor que buscar cobertura para cliente no mercado internacional em desacordo com a legislação está sujeito a penalidade
14 dez CNseg: resiliência e diversificação mantêm crescimento do setor
4 dez Um Futuro seguro precisa de planejamento
4 dez Prazo para placas do Mercosul no RS será 17 de dezembro
4 dez Inovação surge para tirar profissionais da zona de conforto
4 dez Câmara cria comissão para analisar novo seguro obrigatório
5 nov TR não deve ser aplicada na correção de benefício complementar, decide Segunda Seção
5 nov Combate ao mercado marginal une entidades estaduais e federais
5 nov Seguro pode ser alavanca para infraestrutura no novo governo
5 nov Seguradoras pressionadas com nova abordagem das normas IFRS
31 out Entre os poupadores, 20% pensam na aposentadoria
31 out Controle do dinheiro permite realizar sonhos futuros
31 out Estudo reforça a importância do corretor na venda de seguros
31 out Corretor de Seguros: o principal responsável pelo avanço do mercado segurador
26 out Setor de seguros deve aprender a lidar com a diversidade
26 out ?A longevidade é uma das grandes conquistas da humanidade. É hora de revermos nossos conceitos?
26 out Brasileiros contratam mais seguros para proteção pessoal
26 out Exemplo de Mediação para o Mercado Segurador
24 out Vale a pena investir na previdência privada para o meu filho?
24 out Dia Mundial da Estatística: saiba mais sobre os números do Seguro DPVAT
24 out Aquisições e fusões vão se intensificar no setor de seguros
24 out Cuidado! Você pode perder o seu Simples Nacional em 2019!
22 out Troféu JRS 2018
19 out Em 10 anos, Rio Grande do Sul terá mais idosos do que crianças
19 out Governo deve agir para que empresas tornem acessos IoT mais seguros, diz NEC
19 out A Palavra de Ordem é Inovação
19 out Seguradoras que transformam seus negócios e modelos operacionais podem obter US$ 375 bilhões em novas receitas, afirma estudo da Accenture
16 out Plenário pode votar projeto com novas regras para serviços de seguros
16 out Corretor de seguros não é um intermediário de negócios*
16 out Como escolher uma boa Previdência Privada?
16 out Cada vez mais cedo, brasileiros depositam confiança em previdência privada
11 out Dia da Criança
11 out Dia do Securitário
10 out Planejamento Financeiro e Previdência Privada
10 out Cresce número de consumidores que poupam acima de R$ 50 para os filhos, diz Boa Vista SCPC
10 out Ibovespa cai mais de 2%; investidor repercute declarações de Bolsonaro
10 out Dicas de Planejamento Pessoal
8 out Investidores devem ser conservadores com dinheiro nos próximos 180 dias
8 out Barreira cultural é principal desafio para assinatura eletrônica no Brasil
8 out Seguradoras adotam o uso de tecnologia 'vestível' para criar descontos
8 out Os melhores planos de previdência privada, segundo a Proteste
3 out Seguro de vida empresarial também é vantagem para o executivo
3 out Setor privado prepara projeto de reforma da Previdência para presidente eleito
3 out Congresso destaca oportunidades de negócios e função social dos corretores de vida e previdência privada
3 out CNSeg enviou documento aos presidenciáveis às vésperas das eleições
28 set Seguro de vida em grupo é disseminado, mas pode ser melhor apresentado
28 set Plano VGBL é porta de entrada na previdência
28 set Como negociar ao contratar um plano de previdência?
28 set Assistência digital de Seguradora chega ao Google Assistente e oferece vários serviços exclusivos
24 set Dívida Pública Federal sobe 0,98% em agosto para R$ 3,785 tri, diz Tesouro
24 set Economia de partilha. ?Vamos largar esta ideia de que temos de ser donos de tudo o que usamos? /premium
16/10/2018

Cada vez mais cedo, brasileiros depositam confiança em previdência privada


Por conta da incerteza econômica no futuro, os brasileiros têm buscado cada vez mais na previdência privada uma promessa de segurança financeira. É o tão conhecido pé de meia, só que aprimorado. 
Aos 54 anos, a radialista Sebastiana Pereira de Melo, a Cida, resolveu fazer um plano de previdência privada, mas não para ela, e sim para o filho. Ela conta que começou a poupar em 2011, quando ele tinha 13 anos de idade, pensando no investimento nos estudos mais adiante. 

“Eu pago até hoje porque ele ainda estuda e não tem renda. Penso que ele poderia aproveitar para iniciar a vida profissional dele, depois que ele se formasse. Mas ainda não ocorreu, só daqui a dois anos”, relata. 
Cida diz que chegou a ler sobre o assunto antes de poupar pela primeira vez, e ficou sabendo do seguro por meio da própria imprensa, lendo em jornais e revistas. Em pouco mais de 7 anos, ela já depositou uma boa quantia, já que coloca na previdência aproximadamente 60 reais por mês. A radialista acrescenta que gostaria de ter começado bem antes. 

“Minha intenção era desde o início, quando ele nasceu. Acho que o ideal é desde o nascimento, mas eu não tive as condições financeiras para isso”, argumenta. 

Poupe, mesmo que seja pouco 

Para a especialista e educadora financeira Vivian Rodrigues, Cida está no caminho certo. “Os jovens têm os juros compostos e o tempo a seu favor. Quanto antes essa preocupação, ao lidar com o dinheiro, pensando no longo prazo, começar, melhor. Pois tem mais tempo do dinheiro trabalhando e gerando juros sobre juros. O mesmo que acontece com uma dívida que vai acumulando e ficando cada vez maior, o mesmo pode acontecer de formar positiva”, explica. 

As pessoas nem sempre começam a investir porque pensam que quantias menores não tratarão resultado no futuro. Vivian Rodrigues reforça que não importa o quão reduzido seja o valor aplicado, o importante é poupar. 

“É natural que muita gente não comece logo no primeiro salário achando que ganha pouco e que, por isso, não vai coneguir poupar pouco. É importante criar o hábito de iniciar esses investimentos logo cedo, mesmo que o valor não seja muito significativo, e à medida que o salário vai aumentando, que a carreira vai crescendo, a gente cresce também com esses aportes e com as possibilidades que vão ser adquiridas no futuro”, elucida. 

Crescimento
 
Segundo dados da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi), as reservas aplicadas em seguros previdenciários passaram de R$ 319 bilhões em 2012 para mais de R$ 780 bilhões em 2018, o que mostra que em tempos de discussão e indefinição sobre a reforma da previdência, o seguro previdenciário tem sido uma importante alternativa. 

O professor Ailton Costa é representante do Sindicato dos Corretores de Seguros (Sincor) junto à Federação Nacional dos Corretores (Fenacor), no Rio de Janeiro. Ele explica que o modelo de previdência tradicional, feito junto ao governo, já é coisa do passado. 

“Isso não é uma exclusividade do Brasil. Países principalmente da Europa começam a experimentar um esgotamento do modelo de previdência pública. A previdência privada é, certamente, o modelo complementar mais adequado para não desamparar o cidadão no momento em que ele decidir aposentar as chuteiras”, expõe. 

Ailton costa fala sobre os principais benefícios do seguro previdenciário privado. “O mais importante desses benefícios é o fiscal. Isso não é generalizado, mas ele pode abater do imposto de renda aquilo que ele está contribuindo para a previdência complementar. Um outro benefício é que, após cumprir um período de carência combinado previamente com a empresa, ele pode sacar e sair com o dinheiro a hora que ele quiser”, afirma. 

Preocupação com o futuro 

O advogado Francisco Júnior é mais que precavido. Ele conta que paga três previdências: a do INSS, outra em um banco público e o seguro previdenciário privado. A principal preocupação, segundo ele, é com a saúde.

“Uso a previdência privada para segurança financeira e também para abater no imposto de renda. Já tem 8 anos que eu pago. Quando eu aposentar, quero ter uma segurança para poder viajar, pagar um plano de saúde. Quando se chega aos 60 anos, o plano de saúde dobra o valor, e a saúde no Brasil é muito precária”, avalia. 

Fatores que devem ser observados por quem pretende fazer o pé-de-meia como a Cida e o Francisco são as taxas de cada seguro, de forma a fazer o valor render mais. O professor do Sincor, c, explica que o dinheiro guardado debaixo do colchão não rende. 

“Se eu estou aplicando 10 e faço parte de um fundo que tem mais 10 aplicadores, então estamos aplicano 100. O poder de negociação do fundo é infinitamente maior neste caso”, analisa. 

Ponto de partida 

E você aí, ainda ficou na dúvida sobre fazer mais uma despesa mensal ou garantir o futuro? O analista e educador financeiro Giordano de Souza diz que aplicar em seguro de previdência é uma questão de disciplina e de saber que o benefício não virá a curto, mas sim a longo prazo. 

“Temos a tendência costumeira e comportamental de satisfazer sempre as necessidades imediatas. Diante de imprevisibilidades que ocorrem, nós então adaptamos o dia de amanhã para resolver o problema de hoje. Essa é uma lei universal dos seres humanos. Se eles estão preparados paras intempéries de amanhã, pode ser que amanhã não tenha tanto impacto assim. Daí a importância da educação e do planejamento financeiro”, conclui.

Fonte: Sagres por Johann Germano
logotipo zepol